terça-feira, 16 de abril de 2019

Bolsonaro anuncia o fim da política de valorização de salário mínimo

Sem aumento real, remuneração mínima será de R$1.040 para 2020, de acordo com projeto de lei apresentado nesta segunda (15)



O governo Bolsonaro apresentou, nesta segunda-feira (15/04), o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) com o valor do salário mínimo de R$1.040 para o ano 2020. Sem política de valorização, o aumento é de apenas R$42 em relação ao atual (R$998) e só repõe a inflação medida pelo Índice Nacional do Preços ao Consumidor (INPC), ou seja, sem aumento real.
Para a economista do Dieese, Barbara Valejjos, o anúncio é mais um retrocesso na vida do trabalhador. “Desde 2011, existia uma lei que garantia a reposição da inflação e aumento real igual ao aumento do PIB no salário mínimo. Porém, essa lei perdeu a sua validade em janeiro de 2019. Caso a LDO seja aprovada como está, será o fim de um pacto de valorização dos SM que ajudou na redução das desigualdades ao longo dos anos 2000. É o desmonte de uma política que só apresentou benefício para os brasileiros.”, disse.
A política de valorização do salário mínimo foi conquistada em ação conjunta das centrais sindicais entre 2004 e 2009, com a realização de Marchas em Brasília. As mobilizações conquistaram também reajustes de salários para os anos citados, mesmo antes da conquista da Lei.

A proposta de LDO segue para a Comissão Mista de Orçamento e será votada no Congresso Nacional. A intenção do governo é sancionar a lei até o dia 17 de julho. (Fonte: Contraf-CUT)


Palavra do Presidente
E o GOLPE continua...
As consequências da falta de um debate político sério aliado a uma enxurrada de mentiras na redes sociais com apoio de grupos econômicos em com o aval das forças militares e judiciárias resulta nisso que estamos vivendo: o capitalismo na sua essência.
Esse é o maior de todos os vieses ideológicos!
Retirar e suprimir direitos sociais e trabalhistas, entregar o patrimônio e a riqueza nacional para o sistema financeiro e grandes grupos internacionais, manter o povo na miséria e consequentemente na ignorância e atacar e reprimir sindicatos, partidos de oposição, movimentos sociais que são as vozes que discordam dessa política.
Enfim, Bolsonaro e Paulo Guedes representam, respectivamente, o populismo fascista e o neoliberalismo servil do mercado.
Max José Neves Bezerra
Presidente SEEB Nova Friburgo e Região
Twitter: @maxxbezerra
WhatsApp: + 55 22 98126790