sábado, 27 de agosto de 2016

Só A Luta Te Garante...

Alguns já ouviram essa história, outros agora.

O ano era 1951, após ouvirem uma contraproposta que consideraram inaceitável dos patrões. Uma gorjeta! Hoje, a denominação seria esmola. Os bancários e as bancárias decretaram no dia 28 de agosto uma greve que durou 69 dias. O movimento se encerrou quando a justiça concedeu reajuste de 31%. A categoria reivindicava 40%.

E invariavelmente, as negociações ocorrem assim. Muitos têm receio de uma greve, mas sem ela, não conquistaríamos aquilo que os bancos chamam de “benefícios”. Sem a nossa unidade na luta, não teríamos uma Convença Coletiva nacional que assegura diversos direitos a todos os bancários e as bancárias do país.

E este é um dos motivos que banqueiros arrogantemente sempre provocam afirmando que “pagam muito”. Não se iluda! Nunca! Pois, arrogância e provocação são características inerentes a este tipo de gente. E quando for possível, pagarão 01 (um) salário-mínimo. Por isso, são os maiores defensores do PL 30/2015, o projeto de Terceirização.

Um direito perdido, não retorna. Exemplo é o anuênio, uma verba acabou em 2001. Outra que corre o risco de acabar é o vale-cultura que de tem a duração prevista até dezembro. E caso não seja renovada pelo interino golpista, os bancos já sinalizaram que irão acabar com esta conquista.

#SóALutaTeGarante

Temos muitas conquistas a celebrar (PLR para todos os bancos; vales alimentação, refeição e 13º vale; licença - maternidade de seis meses...), direitos a preservar (férias remuneradas, jornada de trabalho regulamentar, 13º salário...) e uma linda história de luta para honrar: Salve os Bancários! Salve a Bancárias!

Seguimos juntos em frente e a esquerda!

Em busca da utopia de um mundo sem desigualdades! Sem explorações!

Forte abraço!

Trabalhador, Bancário Unibanco, atual Itaú
Presidente SEEB-Nova Friburgo e Região