sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Governo alerta para cuidados na abertura e fechamento de conta-corrente


    O pedido de encerramento de conta deve ser aceito pelo banco mesmo quando o cliente tiver cheques sustados, revogados ou cancelados. A orientação está na quinta edição do boletim Consumo e Finanças, elaborado pela Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça e o Banco Central (BC).

O boletim informa que, ao abrir uma conta-corrente, o consumidor deve estar atento às regras contratuais, como os direitos e as obrigações das partes envolvidas, as normas para movimentação da conta e os requisitos para rescisão e encerramento.

"Cláusulas contratuais que limitem os direitos do consumidor devem estar em destaque para facilitar a compreensão do cliente", lembram o BC e o Ministério.

O informativo esclarece que o encerramento de uma conta corrente poderá ser feito pelo banco ou pelo cliente, desde que mediante as condições previstas no contrato de abertura, que é por tempo indeterminado.

O banco e o ministério orientam o consumidor a não assinar documento antes de esclarecer todas as dúvidas, inclusive referente a tarifas, juros e outros encargos. Deve solicitar cópia de todos os documentos assinados e ficar atento à não obrigatoriedade de contratar pacote de serviços ligado à conta corrente.


Fonte: Agência Brasil

Banco do Brasil é condenado em Itapetinga por suspender vale-transporte

A Justiça do Trabalho de Itapetinga (BA) determinou que o Banco do Brasil efetue o pagamento de parcelas vencidas e de uma multa judicial para sete funcionários do banco que trabalham em Itapetinga e residem em Vitória da Conquista.

O pagamento é referente ao período em que, sem os benefícios, os bancários tiveram de arcar, do próprio bolso, com as despesas de transporte entre janeiro de 2010 e março de 2011. "O valor que foi pago aos bancários substituídos da ação se refere à verba incontroversa, isto é, aquilo que o banco entende que deve. Mas o processo continua em relação aos demais créditos. Além disso, estamos com outras ações semelhantes", explica o presidente do Sindicato dos Bancários de Vitória da Conquista, Delson Coêlho.

Na época, o banco foi procurado várias vezes, mas não solucionou o problema e continuou descumprindo a legislação. Como não houve solução negociada, o sindicato protocolou uma reclamação trabalhista na Vara do Trabalho.

O banco suspendeu o benefício do vale-transporte sob alegação de que os ônibus intermunicipais que faziam o trajeto entre Conquista e Itapetinga não tinham características semelhantes aos urbanos, como prevê a lei. A Justiça reconheceu que esse argumento do banco não era válido.


Fonte: Seeb Vitória da Conquista

Sindicatos convocam greve geral para dia 14 de novembro na Espanha

    Sindicatos espanhóis acertaram nesta sexta-feira (19) a convocatória de greve geral para o dia 14 de novembro em protesto contra a política de cortes do governo. A paralisação na Espanha soma-se à marcada em Portugal para o mesmo dia.

"O próximo (dia) 14 de novembro será realizada a primeira greve geral ibérica", disse Fernando Lezcano, secretário de comunicação e porta-voz do CCOO (Comissões Operárias), o principal sindicato espanhol em número de afiliados.

A decisão de convocar uma greve geral era esperada depois de diversos líderes sindicais advertirem nesta semana que a política do governo de Mariano Rajoy havia tornado inevitável um protesto dessa natureza.


Fonte: Jose Elías Rodríguez - Reuters

Justiça cerca abusos de bancos contra falta de transparência e altos custos

   A guerra contra a falta de transparência e os altos custos dos empréstimos e dos serviços prestados por instituições financeiras para os consumidores brasileiros promete esquentar nos próximos meses. Segundo a secretária Nacional do Consumidor (Senacon) do Ministério da Justiça, Juliana Pereira, em 30 dias, será concluído um plano de oferta de crédito que, quando em vigor, obrigará os bancos e as lojas a esmiuçarem o custo efetivo total (CET) de todos os seus tipos de financiamentos.

O detalhamento das tarifas é uma das prioridades do governo federal, ao lado da redução dos juros. Segundo a titular da Senacon, o Banco Central já criou uma norma que obriga quem oferece crédito a especificar as CETs, mas, muitas vezes por falta de conhecimento, essa orientação não é respeitada. E isso impede ou dificulta que o cliente possa, de fato, comparar os custos dos parcelamentos.

"Precisamos dar transparência a esse processo até para estimular a competitividade entre as instituições e garantir a liberdade de escolha do consumidor", afirmou.

Tarifas

Para a secretária, falta também mais clareza de como são cobradas as tarifas bancárias. Segundo pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), elas subiram quatro vezes mais que a inflação nos últimos 12 meses. E esses reajustes fizeram com que a receita delas tivesse um aumento de 46%. Para o consumidor, isso representa um gasto 33% maior no período.

A economista do Idec Ione Amorin explica que o aumento dessas cobranças foi a estratégia adotada pelos bancos para compensar a perda de receita com a redução dos juros. "Desde o início do ano, o governo vem empenhando esforços para fazer com que a queda da Selic se reflita também na diminuição das taxas das operações de crédito ao consumidor final. Mas o que se vê é o efeito contrário: elas estão subindo", ressaltou.

De acordo com o levantamento, paralelamente ao movimento de juros mais baixos, foram divulgadas, entre junho e agosto, novas tabelas aumentando as tarifas. Nos 12 meses considerados, os bancos reajustaram 40 delas - em uma média de 19%.


Fonte: Priscilla Oliveira - Correio Braziliense

Governo regulamenta lei que cria cadastro positivo de bons pagadores

   O governo federal publicou ontem, no Diário Oficial da União, a lei que cria o chamado "cadastro positivo" de bons pagadores. O objetivo do cadastro é permitir que as pessoas que mantêm as contas em dia possam obter taxas de juros menores ao solicitar crédito. A regulamentação entra em vigor em 1º de janeiro de 2013, segundo o governo.

O cadastro funcionará da seguinte forma: quando uma pessoa, ou empresa, desejar buscar crédito em uma instituição financeira, ou estabelecer relação comercial com outra parte, poderá autorizá-la a acessar seus dados no cadastro positivo. Se for "bom pagador", o tomador do crédito terá como provar que tem as contas em dia e, deste modo, solicitar taxas de juros mais baratas.

O cadastro positivo foi aprovado pelo Senado Federal em dezembro de 2010, e sancionado com vetos pela presidente Dilma, em junho do ano passado. Para vigorar, porém, o mercado financeiro solicitou regulamentação da medida - o que aconteceu ontem. Ainda falta, porém, uma resolução do Conselho Monetário Nacional (CMN) para disciplinar o repasse das informações pelos bancosàs empresas que operarão os cadastros. O Ministério da Fazenda informou que isso pode acontecer ainda neste ano.

Regras

A inclusão dos nomes no cadastro positivo é opcional. Deste modo, aqueles que quiserem ingressar devem fazer um pedido formal. Mesmo cadastrado, o consumidor poderá optar por não ter suas informações disponíveis para consulta. "A abertura de cadastro não poderá ser condicionada à concessão de autorização para compartilhamento da informação de adimplemento", diz o texto do governo federal.


Fonte: DCI

Mercantil fecha agência e demite os funcionários em Vitória da Conquista

O Banco Mercantil do Brasil, após 37 anos de funcionamento em Vitória da Conquista (BA), agiu de forma desumana e demitiu todos os funcionários sem qualquer justificativa. A direção do banco, que não fez qualquer comunicado à imprensa e nem aos clientes, fechará as portas a partir do próximo dia 30 de novembro.

"Além da maldade com os funcionários, trata-se de uma falta de respeito com os clientes, que sequer vão poder conversar com os funcionários com quem conviviam há quase 40 anos. A partir de hoje, apenas uma bancária permanecerá no prédio", explica o Diretor de Imprensa do Sindicato dos Bancários de Conquista e Região, Eduardo Moraes.

Também não houve proposta para a realocação dos funcionários em outras unidades.

O Mercantil foi a décima agência bancária do município, tendo sido inaugurada em 15 de setembro de 1975. A agência contava com 14 funcionários e cerca de 1.000 clientes.

SINDICATO FAZ ACOMPANHAMENTO JURÍDICO


O Sindicato dos Bancários está reunido com todos os funcionários para fazer o acompanhamento jurídico do caso e buscar a abertura de um canal de diálogo com a direção da instituição.

A entidade alerta que a demissão dos 14 funcionários e o fechamento da unidade são uma contradição. No último mês de agosto, o Mercantil anunciou a abertura de 15 novas agências até o final de 2012. Atualmente, o banco conta com 173 unidades bancárias em todo o país, a maioria na região Sudeste.

Entre os bancários, a sensação é traumática e de total revolta por tamanha desumanidade da instituição. Não houve conversa com os trabalhadores. Os relatos apontam que não havia crise e que a unidade vinha cumprindo todas as metas de lucratividade.

"Entendemos essa postura do banco como uma atitude que causa descrédito, abuso de poder, arrogância, coação, intolerância, violência psicológica indevida aos funcionários e seus familiares e com toda a sociedade conquistense", denuncia o presidente do Sindicato, Delson Coêlho.



Fonte: Seeb Vítória da Conquista

Contraf-CUT repudia prática antissindical do BB e derespeito a concursados

Desde o fechamento da campanha nacional da categoria e assinatura da Convenção Coletiva de Trabalho dos bancários e do acordo aditivo dos funcionários do BB, a empresa vem criando problemas com os trabalhadores e com os milhares de cidadãos brasileiros que se dedicaram, passaram no concurso do banco e agora são enrolados pela direção quando querem começar a trabalhar.

As entidades sindicais assinaram os acordos com o BB no dia 4 de outubro. Desde então, quer descumprir o que assinou há tão pouco tempo.

Suspensão de posse de concursados


Em flagrante desrespeito aos milhares de cidadãos aprovados no concurso, a empresa suspendeu, através de comunicado interno, a posse de dezenas de aprovados que já haviam recebido a convocação e estavam em processo de qualificação para começar a trabalhar. Muitas dessas pessoas já tinham pedido demissão de empregos anteriores e tiveram prejuízos por uma decisão irresponsável da direção do BB. Ao suspender as contratações, o banco prejudicou também a vida de seus clientes, pois em muitas agências o atendimento está comprometido por falta de funcionários.

Após forte pressão da Contraf-CUT e de suas entidades filiadas, o banco respondeu no dia 15/10 que "as convocações e posses de concursados estão em seu curso normal".

Pelo que as entidades sindicais puderam apurar junto aos concursados, o BB só está chamando aqueles que ele mais prejudicou e que já tinham sido convocados. Mas isso não basta. O banco precisa continuar contratando para que os funcionários possam trabalhar num ritmo menos estressante, e os sindicatos continuarão pressionando para que isso aconteça.

"Sugerimos que os concursados procurem os sindicatos para que, juntos, pressionemos o banco para chamar os aprovados, porque a situação nas agências é caótica" critica William Mendes, secretário de Formação da Contraf-CUT e coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB.

Banco ameaça trabalhadores que fizeram greve

A greve dos bancários demonstrou que os funcionários estão insatisfeitos e querem que o banco atenda suas reivindicações. Em vez disso, o BB vem ameaçando os grevistas com medidas disciplinares caso não compensem as horas de greve.

A Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) prevê a possibilidade de compensação das horas da greve até o dia 15 de dezembro e o não desconto dos dias de greve. Em menos de duas semanas, o BB já extrapolou mais de uma vez os limites legais e contratuais previstos na cláusula 56ª da CCT, na legislação brasileira e nas convenções 98 e 111 da OIT (Organização Internacional do Trabalho) assinadas pelo Brasil.

O banco publicou a Instrução 361, dizendo que quem não compensar as horas poderá ser submetido à "análise sob o aspecto disciplinar", o que não está previsto no acordo coletivo.

'BB incentiva pequenos ditadores'

Em vez de incentivar os administradores a negociarem com os funcionários e acertarem de comum acordo a forma e as datas de compensação, utilizando inclusive abonos e folgas na compensação, o BB prefere orientá-los a punir. "A área de RH do banco deveria tratar bem os funcionários e não ameaçá-los. Há muito administrador que discrimina quem luta pelos direitos de todos. A direção do banco parece querer incentivar os pequenos ditadores em vez de incentivar o bom ambiente de trabalho", avalia Carlos de Souza, vice-presidente da Contraf-CUT.

"A Confederação continuará lutando para que o banco respeite a prática sindical e trate com respeito os grevistas que lutaram por todos. Os sindicatos não vão tolerar discriminações. Qualquer abuso deve ser denunciado aos sindicatos e à Contraf-CUT. As entidades continuarão agindo e pressionando o banco para que ele cumpra o acordo que acabou de assinar", conclui William Mendes.


Fonte: Contraf-CUT

Banco Central decreta intervenção no banco BVA

O Banco Central decretou nesta sexta-feira intervenção no banco BVA, especializado em crédito para companhias de médio porte, citando comprometimento da situação econômico-financeira da instituição. A intervenção ocorreu pouco mais de um mês depois que o Cruzeiro do Sul e o Prosper foram liquidados pela autoridade monetária.

Em comunicado, a autoridade monetária afirma que foram detectadas "graves violações às normas legais" e "descumprimento de normas que disciplinam a atividade da instituição". Representantes da instituição e do BC não comentaram de imediato o assunto.

O BC decidiu pela liquidação dos bancos Cruzeiro do Sul e Prosper, em 14 de setembro , depois de ter feito o mesmo com o Banco Morada. Em 2005 foi a vez do Banco Santos.

A intervenção do BC acontece em um momento em que o governo está pressionando pela redução de custos de empréstimos e redução de tarifas bancárias. Alguns analistas dizem que bancos de médio porte são os mais prejudicados, já que a pressão pela queda dos juros pesa sobre suas receitas e encoraja práticas de empréstimo mais arriscadas.

Segundo o BC, o BVA detém 0,17 por cento dos ativos do sistema financeiro nacional e 0,24 por cento dos depósitos. A instituição possui sete agências nos Estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo.

Em balanço de 2011 publicado em março, o BVA informa que fechou o ano passado com lucro líquido de 63,2 milhões de reais, queda de 29 por cento sobre o resultado positivo de 2010. Os ativos encerraram o exercício em 6,74 bilhões de reais, alta de 48,8 por cento.

Fonte contatada pela Reuters no final de agosto informou que o BVA havia fechado o primeiro semestre deste ano com prejuízo e que iria recuperar sua base de capital com uma injeção de capital de 300 milhões de reais.


Fonte: Alberto Alerigi Jr - Reuters

União Europeia fecha acordo sobre supervisão bancária na zona do euro

http://www.contrafcut.org.br/noticias.asp?CodNoticia=32333

Amigos da Terra debate questões socioambientais no setor financeiro

A Contraf-CUT irá participar do programa de treinamento intitulado "Usando o Setor Financeiro como Alavanca de Mudança". O evento é organizado pela entidade Amigos da Terra - Amazônia Brasileira e será realizado entre os dias 29 e 31, em Guararema, no interior de São Paulo. A Confederação será representada pelo secretário de Organização do Ramo Financeiro, Miguel Pereira.

"Nossa participação no evento é importante por tratar de um curso voltado para o funcionamento das instituições financeiras e seus impactos na sociedade civil e meio ambiente", afirma Miguel.

O treinamento, que acontece no Brasil, também é feito com diversas organizações da sociedade civil na Rússia, China e Índia. "São todos países emergentes que, juntamente com o Brasil e a África do Sul, compõem o grupo econômico denominado Brics. Portanto, além de ampliarmos a troca de experiências com as organizações brasileiras, será possível também conhecer o funcionamento das instituições destes países", destaca o dirigente da Contraf-CUT.

Confira os temas que serão debatidos:

· O financiamento de empresas e projetos

· Tipos de instituições financeiras

· Como os bancos lidam com os riscos

· Sistema bancário e a regulação anti-lavagem de dinheiro

· O papel do mercado de capitais

· (Auto) regulação das questões sociais e ambientais

· Estratégias de financiamento das empresas,

· Investimentos alternativos e produtos financeiros

· Transparência e prestação de contas

· Como realizar campanhas de sucesso no Brasil


Fonte: Contraf-CUT com Amigos da Terra

Passeata cobra investigação sobre desaparecimento de jornalista no Paraná

Reunidos na Catedral de Curitiba, movimentos sociais, sindicatos e jornalistas cobraram nesta quinta-feira, dia 18, mais intensidade nas investigações do desaparecimento de jornalista Anderson Leandro, 38 anos, que foi visto pela última vez no último dia 10, quando deixou sua produtora para uma suposta reunião no município de Quatro Barras, na Região Metropolitana da capital paranaense.

Familiares de Anderson Silva organizaram a passeata pelo centro de Curitiba porque acreditam que o jornalista ainda está vivo. A irmã dele, Aparecida Leandro, pede esforço da sociedade e das autoridades para que Anderson seja encontrado. "A gente quer, com esse ato, que o desaparecimento não seja esquecido. Se alguém viu alguma coisa, ligue para a polícia e denuncie", solicita.

Uma das linhas de investigação é motivação política. Em 2008, Anderson levou um tiro de borracha da Polícia Militar enquanto cobria a reintegração de posse de uma área ocupada pelo MST (Movimento dos Sem Terra), no bairro Fazendinha.

A presidente da CUT-PR, Regina Perpétua, levanta essa hipótese e cobra mais empenho do governo estadual: "Queremos que o grupo Tigre, o governo e o Ministério Público entrem fortemente neste caso. O Anderson era muito ligado aos movimentos sociais e não é possível ele sumir como sumiu", comentou.

Oito dias depois do desaparecimento, nem a Secretaria de Segurança Pública do Paraná, nem o Governo do Estado deram qualquer informação sobre o caso. Uma audiência com o governador Beto Richa já foi solicitada com objetivo de intensificar as buscas feita pelo TIGRE (Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial). No entanto, o pedido ainda não foi respondido.

O desaparecimento do jornalista soma-se a mais um caso de cerceamento à liberdade de imprensa do Paraná. Recentemente, jornalistas da Gazeta do Povo foram ameaçados depois que denunciaram a utilização de viaturas da PM de forma particular.

Em outro caso, no litoral, um jornalista foi impedido de cobrir reunião entre Funae, Ministério Público e índios. Para o presidente do Sindicato dos Jornalistas do Paraná (Sindijor-PR), Guilherme Carvalho, essas ações demonstram que a liberdade de imprensa não está totalmente garantida em nosso país.

"Nós estamos tratando de impedimento da liberdade de expressão e do direito das pessoas terem acesso à informação. Com o desaparecimento, a sociedade também está sendo ferida em seus direitos", diz.


Fonte: Seeb Curitiba com Portal Vanguarda Política

Valor de anuidade de cartão de crédito subiu 15% em 2011, aponta BC

As tarifas de anuidade de cartões de crédito subiram, em média, 15% entre 2010 e 2011. Com isso, a receita dos emissores de cartões com anuidade aumentou 18% no período, totalizando R$ 4,9 bilhões no ano passado. As informações estão no Adendo Estatístico ao Relatório sobre a Indústria de Cartões de Pagamentos, divulgado nesta quinta-feira (18) pelo Banco Central.

A análise da autoridade sai em meio ao movimento de redução das tarifas bancárias de serviços entre os grandes bancos. Ontem, o Itaú Unibanco cortou tarifas para pessoas física e jurídica, movimento deflagrado pelo Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal (CEF).

O aumento das receitas com tarifas de cartões está ligado a mudança no mix de produtos dos bancos. De 2010 para 2011, houve queda de 5% no número de cartões ativos considerados "básicos", enquanto os cartões "intermediários", "premium" e "corporativos" cresceram cerca de 9%, 29% e 34%, respectivamente.

"Esse comportamento pode estar associado a estratégias dos emissores de aumentar a base de cartões associados a produtos com maiores tarifas de intercâmbio e de anuidade", avalia o Banco Central no relatório.

A tarifa de intercâmbio é uma parcela da taxa de desconto cobrada do lojista por transação de cartão que é transferida pelo credenciador para o banco emissor do cartão, para remunerá-lo por riscos e custos incorridos na operação. Essa parcela varia com o tipo de cartão utilizado, ou seja, compras com cartões "premium" têm uma tarifa de intercâmbio maior que compras com produtos básicos.

Ontem, durante evento sobre o mercado de cartões em São Paulo, Itaú e Bradesco defenderam o modelo de cobrança de tarifas e anuidades no cartão, argumentando que a oferta de pacotes é ampla e inclui valores diversos.

"As tarifas do cartão são a mesma coisa que comprar um carro. Você compra um mais básico, tem uma taxa, compra um Mercedes, tem outra", afirmou Marcelo Noronha, diretor de cartões do Bradesco. "As tarifas são pagas para remunerar um serviço prestado pelo banco", afirmou Fernando Teles, diretor de cartões do Itaú.

Menos cartões

A quantidade de cartões emitidos no Brasil apresentou leve queda em 2011, na comparação com 2010, revertendo uma tendência de crescimento verificada na última década, mostra o relatório do BC.

No fim do ano passado eram 169,1 milhões de cartões emitidos, queda de 2% em relação ao ano anterior. No critério de cartões ativos, aqueles que fizeram pelo menos uma transação em um ano, somavam 84,4 milhões no fim de 2011, recuo de 1%. Já a base de cartões de débito cresceu cerca de 13% nesse período.

"Parte dessa queda se deve a ajustes nas bases de cartões dos emissores, resultantes dos processos de consolidação das aquisições ocorridas recentemente no mercado bancário", avalia o BC.


Fonte: Felipe Marques - Valor Econômico

Trabalhador já pode consultar saldo de FGTS pelo celular ou internet

A CUT e as demais centrais sindicais assinaram nesta quinta-feira (18) um acordo de cooperação técnica com a Caixa Econômica Federal para divulgar os novos canais de informações da conta vinculada do FGTS.

A partir de agora, os/as trabalhadores/as poderão receber informações atualizadas de saldo, depósitos e saques do FGTS no celular, por meio de mensagens SMS e também poderão consultar seus extratos na internet.

Para o presidente da CUT, Vagner Freitas, essa parceria das centrais com a Caixa contribui fortemente para aumentar a transparência, o acompanhamento e a participação na gestão do FGTS. Ele elogiou a gestão atual da Caixa e lembrou das dificuldades que os representantes dos trabalhadores enfrentavam na época do governo FHC.

"Além dos empregados da Caixa não terem reajuste salarial, no governo FHC não havia mecanismos de acompanhamento dos dados da conta do FGTS por parte dos trabalhadores e dos sindicatos".

Segundo Vagner, a maior participação dos sindicatos tanto no Conselho Curador quanto no Conselho Gestor do FGTS é que possibilitou esta parceria que garante, inclusive, que os trabalhadores fiscalizem seus saldos, suas movimentações e, principalmente, chequem se os patrões estão, de fato, recolhendo mensalmente o fundo de garantia.

Para ampliar a divulgação e explicar didaticamente como os trabalhadores podem aderir aos novos canais, a Caixa e as centrais sindicais vão elaborar um plano de trabalho para estruturar as ações conjuntas para divulgação e implementação dos novos canais de acompanhamento da conta em todo território nacional.

Acesso aos novos canais


Para ter acesso aos serviços por meio do celular ou da internet é necessário fazer a adesão nos sites do FGTS ou da Caixa.

SALDO VIA CELULAR

Para receber informações pelo celular é preciso aderir ao serviço de mensagem se inscrevendo no site do FGTS.

Basta acessar o link http://www.fgts.gov.br/trabalhador/servicos_online/msg_celular.asp, clicar no link "consultar saldo do FGTS via celular" e preencher os campos com o número do NIS (PIS/PASEP), sua senha de internet e o código de verificação - as letras e números que aparecem ao lado - e clicar no OK.

SALDO VIA INTERNET

Para consultar o extrato na internet, basta cadastrar senha nos sites do FGTS (http://www.fgts.gov.br/) ou da Caixa (http://www.caixa.gov.br/fgts/).

Segundo a Caixa, a consulta e acompanhamento da conta vinculada pela internet já é utilizado por cerca de 800 mil trabalhadores/as - com as adesões ao novo serviço, esse número deve pular para 3 milhões.

A adesão aos novos serviços é facultativa. Quem quiser, pode continuar recebendo o extrato bimestral do FGTS em casa.

Com a parceria, a Caixa quer alcançar mais de 27 milhões de cadastros ao serviço de consulta por canais alternativos.


Fonte: CUT

Agência do Itaú em Porto Velho é paralisada contra falta de funcionários

O Itaú continua demonstrando uma postura de completa soberba em detrimento ao tratamento digno ao ser humano e, mais uma vez, as agências em Rondônia voltam a ser palco do descaso e da humilhação por que passam funcionários, clientes e usuários. Na quarta-feira (17), os bancários pararam a unidade da avenida Nações Unidas, em Porto Velho.

A paralisação ocorreu após os diretores do Sindicato dos Bancários e Trabalhadores do Ramo Financeiro de Rondônia (SEEB/RO) visitarem a agência, onde se depararam com o cenário sombrio de filas gigantescas, máquina de senhas com problemas, funcionários acumulando funções e, sobretudo, sendo obrigados a "estrangular" o horário de almoço para não deixar de atender os clientes e usuários.

"Como podemos ver, os funcionários estão, literalmente, a pão é água, já que não podem sair nem para almoçar. É um descaso, um desrespeito total com o ser humano. Sem falar que, com a demora no atendimento - devido à falta de funcionários - o banco volta a não cumprir com as Leis das Filas, sejam elas federal, estadual ou municipal. Isso não pode continuar assim. O banco tem que contratar mais funcionários com urgência", disse o presidente do Sindicato, José Pinheiro.

"Os funcionários nem lembram mais a última vez que tiveram a chance de almoçar. Até para ir ao banheiro ou beber água fica difícil para estes colegas. Por serem poucos o atendimento é demorado para a demanda de muita gente e, eventualmente, acabam sendo vítimas da revolta dos clientes e usuários. Mesmo chegando cedo (7 horas) e saindo tarde (22 horas) da agência, trabalhando redobrado, ainda são agredidos verbalmente, e tudo por culpa do banco. É uma situação que beira o descaso total com o ser humano", avaliou o diretor jurídico do Sindicato, José Toscano, que é funcionário do Itaú.

Após esta visita, os dirigentes repetiram o ato feito também na agência da avenida Jatuarana.

Apesar de trabalhar com uma estimativa de lucro recorde de R$ 17 bilhões para este ano, o Itaú insiste em fechar os olhos para um quadro de caos que se instalou em suas agências, com a carência no quadro funcional que compromete totalmente o bom atendimento ao público em geral.

DISCRIMINAÇÃO

O Itaú também age com discriminação à população quando, em suas agências, faz questão de mostrar, via aviso, que não recebe títulos de outros bancos e recebe apenas de quem é correntista do banco.

"Todo mundo sabe que banco é uma concessão pública e, portanto, não tem que fazer discriminação de que tipo de pessoa ele deve ou não receber o título. Isso é uma vergonha e mais uma demonstração de desrespeito com o cidadão", avaliou o secretário geral do Sindicato, Euryale Brasil.

PERSEGUIÇÃO

Além de todas estas irregularidades que atingem diretamente a população como um todo, o Itaú também cria um clima de caos dentro do ambiente de trabalho. Denúncias dão conta de que o Superintendente Moacir Lopes, que responde pelos estados de Rondônia, Amazonas, Acre e Roraima, faz teleconferências com os funcionários, e isto em dias de pico e em pleno horário de atendimento ao público e, assim como faz por meio de ligações telefônicas, assedia os trabalhadores e faz a cobrança do cumprimento das famigeradas metas abusivas.

"E sabemos que este superintendente faz piadinhas com os funcionários, e os humilha com afirmações como 'Tira a muleta! Quero as metas cumpridas', ou seja, uma prática descarada de assédio moral que deve ser combatida com rigidez", conclui Pinheiro.


Fonte: Contraf-CUT com Seeb Rondônia

Presidenta Dilma faz nove vetos ao Código Florestal e contraria ruralistas

A presidenta Dilma Rousseff decidiu vetar nove itens do Código Florestal aprovado pelo Congresso Nacional em setembro. O principal veto retira do texto a flexibilização que os parlamentares queriam para a recuperação de áreas de preservação permanente (APPs) nas margens de rios.

O governo vai devolver à lei, via decreto que será publicado nesta quinta-feira (18), a chamada regra da "escadinha", que prevê obrigações de recuperação maiores para grandes proprietários rurais.

A "escadinha" determina que os produtores rurais terão que recompor entre 5 e 100 metros de vegetação nativa das APPs nas margens dos rios, dependendo do tamanho da propriedade e da largura dos rios que cortam os imóveis rurais. Quanto maior a propriedade, maiores as obrigações de recomposição.

A presidenta excluiu do texto o trecho incluído pelos parlamentares que permitiria a recuperação de 5 metros de APP em tornos de rios intermitentes de até 2 metros de largura para qualquer tamanho de propriedade.

"Os vetos foram fundamentados naquilo que era o principio da edição da medida provisória, que significa não anistiar, não estimular desmatamentos ilegais e assegurar a justiça social, a inclusão social no campo em torno dos direitos dos pequenos agricultores", explicou a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, que apresentou os vetos na quarta-feira (17) junto com o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams.

Também foi vetada a possibilidade de recomposição de APPs com monocultura de espécies frutíferas exóticas, como laranja e maçã. "Não teremos áreas de pomar permanente, como diziam alguns".

O decreto, que será publicado no Diário Oficial da União, também trará a regulamentação do Programa de Regularização Ambiental (PRA) e do Cadastro Ambiental Rural (CAR), que suprirão os possíveis vácuos na lei deixados pelos vetos.

Segundo Izabella, mais instrumentos normativos serão necessários para regulamentar outros pontos do texto, que poderão ser decretos ou atos ministeriais. "Outros atos, não necessariamente decretos, serão necessários para regulamentação do código".

Izabella disse que os vetos foram pontuais, apenas para recuperar os princípios que estavam na proposta original do governo.


Fonte: Luana Lourenço - CUT

Pesquisa nacional em 2013 vai avaliar saúde da população brasileira

A partir de 2013, o Ministério da Saúde iniciará pesquisa com o objetivo de avaliar a saúde da população. Cerca de 16 mil pessoas, de 1.600 municípios, vão passar por exames de sangue e urina, além de medir a pressão arterial.

A Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) faz parte do Plano de Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis. A meta é colher dados sobre os hábitos de alimentação, tabagismo, uso de bebidas alcoólicas, da prática de atividade física e sobre fatores associados a comportamentos não saudáveis da população.

De acordo com o Ministério da Saúde, as informações vão ser base de ações de combate às doenças crônicas não transmissíveis, responsáveis por 72% das mortes no Brasil.

O levantamento vai contar com a parceria do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para levar questionários a 80 mil residências. Ele pretende estimar a cobertura de exames preventivos de câncer de colo de útero e de mama e quer ainda investigar a atenção dada aos doentes diagnosticados com hipertensão, diabetes e depressão, incluindo o acesso a medicamentos, exames complementares de diagnóstico e continuidade nos cuidados.

A PNS se propõe ainda a delinear o perfil lipídico da população e a dimensionar o acesso ao diagnóstico de alguns problemas crônicos, como a hipertensão e o diabetes.


Fonte: Agência Brasil

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Performance na avenida Paulista denuncia "aprisionamento do trabalho"

Portal Conexão Penedo

Vinte e cinco pessoas, em caminhada lenta, cada uma coberta com 5 kg de argila por cima dos trajes executivos e de uma fina faixa branca sobre os olhos. A performance de dois grupos teatrais percorre, nesta quarta-feira (17), a Av. Paulista, no centro de São Paulo.

A caminhada "Executivos de Pedra", que começou no Parque Trianon, segue até a Rua da Consolação e pretende mostrar às pessoas "o mundo paralisado no qual vivem aqueles sufocados pelo trabalho", disse ao G1 Natália Viana, produtora e intregrante do Coletivo Pi, um dos grupos idealizadores da ideia - junto com o Desvio Coletivo, outro grupo de performance teatral. "As pessoas não têm tempo para viver, para pensar, para sentir, para ver. Por isso a faixa branca, por isso a argila. É um mundo sem sentimento mesmo. É uma paralisia", diz.

A ideia, segundo Natália, é encabeçada por Marcos Bulhões e Marcelo Denny, que hoje é diretor de Arte do Desvio Coletivo. E, para colocá-la em prática, não houve formulários de inscrição nem ensaios, só um requisito: "cada um teria que chegar com seus cinco quilos de argila". As 25 pessoas se reuniram no Parque Trianon um pouco antes das 12h30, e os produtores da perfomance despejavam a argila no corpo, no cabelo e até na bolsa de cada um.

A produtora explica que também não houve nenhum livro, quadro ou peça que inspirou a ideia. "Na verdade, a ideia veio antes da obra. Pensamos na praticidade e em como íamos fazer tudo e depois nos veio na cabeça o quadro "Parábola dos Cegos" , de Peter Bruegel", disse Natália Viana.


Fonte: Portal Conexão Penedo - Folha de S.Paulo

Bradesco empurra clientes pobres para fora de agências em Pernambuco

Os clientes de baixa renda do Bradesco estão sendo empurrados para fora das agências de Pernambuco. Segundo denúncias recebidas pelo Sindicato, os gerentes estão sendo pressionados para não atender clientes que querem efetuar pequenos pagamentos ou depósitos.

A orientação do banco aos gerentes administrativos é para que eles coloquem um funcionário na porta das agências para não deixar os clientes mais pobres entrarem. A ideia é forçá-los a utilizar os correspondentes bancários.

"O banco está fazendo reuniões com os gerentes e assediando-os moralmente com o intuito de diminuírem os caixas das agências. Pedimos ao Sindicato que tome uma atitude pois, caso contrário, dentro de pouco tempo o Bradesco terá metade dos bancários que tem hoje", disse uma funcionária do banco, em e-mail enviado ao Sindicato dos Bancários de Pernambuco.

Segundo ela, a direção regional do Bradesco tem feito reuniões com os gerentes administrativos e distribuído xingamentos e assédio moral. "Eles chamam os gerentes de incompetentes e fracos para baixo. E isso na frente de todos os funcionários. Inclusive forçam os gestores a enfrentar o Sindicato. Acho bom todos se juntarem para lutar, senão estaremos, em pouco tempo, doentes e demitidos", disse a bancária.

Para a secretária de Finanças do Sindicato, Suzineide Rodrigues, a atitude do Bradesco não é uma novidade. "O Sindicato tem enfrentado a truculência do banco em várias frentes, mas sempre surgem mais problemas como essas denúncias que recebemos esta semana", diz Suzi, que é bancária do Bradesco.

"Vamos entrar em contato com a Direção Regional do Bradesco para cobrar o fim do assédio moral. E queremos também que o banco pare de empurrar os clientes mais pobres para os correspondentes bancários, que não tem nenhuma estrutura e trabalha de forma deturpada. O Sindicato é contra os correspondentes e temos lutado, inclusive, pelo seu fim. Queremos que todos seja atendidos de forma decente dentro das agências", ressalta.

"Outra coisa perigosa é essa atitude de colocar um funcionário na porta do banco para impedir a entrada dos mais pobres. Além da discriminação, o Bradesco, que é o banco mais inseguro e o mais assaltado de Pernambuco, está colocando o funcionário em risco ao deixá-lo na porta sem nenhuma segurança", destaca Suzi.


Fonte: Contraf-CUT com Seec Pernambuco

20 anos da convenção coletiva é destaque mundial no site da UNI Finanças

A assinatura da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), que garantiu aumento real de salários pelo nono ano consecutivo, valorização do piso e melhorias na PLR, além de avanços socais, foi destaque mundial no site da UNI Finanças, o braço da UNI Gobal Union, a qual é filiada a Contraf-CUT e que representa 237 sindicatos e 3 milhões de trabalhadores do setor financeiro de todo mundo.

O ato ocorrido no último dia 2, em São Paulo, celebrou os 20 anos da CCT dos bancários, uma conquista da luta de trabalhadores de bancos públicos e privados do Brasil.

"Essa é uma conquista histórica e única no Brasil, uma construção de muitas e muitas gerações de bancários. Fruto da ousadia, da coragem da categoria para a luta, da sua capacidade de organização e da busca permanente da unidade nacional, a Convenção Coletiva é hoje um paradigma para as demais categorias de trabalhadores do Brasil e de todo mundo", comemora Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT.

"Assinar a convenção coletiva em 1992, embora naquele momento só para bancos privados e estaduais, foi de extrema importância para nossa luta e sobretudo para nossa unidade. Se antigamente havia os acordos coletivos por Estado, no momento em que conseguimos unificar a categoria numa única convenção, isso abriu um novo caminho para as conquistas futuras que tivemos nos últimos períodos", conta o dirigente sindical.

Com essa unidade nacional e capacidade de mobilização, por exemplo, nos últimos nove anos os bancários conquistaram com paralisações massivas 16,22% de aumento salarial acima da inflação, além de ganho real de 35,57% no piso e melhorias sucessivas na PLR.

"Além das conquistas econômicas, obtivemos com unidade e luta importantes avanços nas cláusulas sobre saúde, condições de trabalho, combate ao assédio moral, segurança bancária e igualdade de oportunidades", acrescenta o presidente da Contraf-CUT.


Fonte: Contraf-CUT com UNI Finance

Justiça manda Santander indenizar cliente vítima de assalto no Recife

A 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) confirmou condenação imposta ao Santander Brasil para pagamento de indenização a cliente que sofreu assalto no estacionamento da referida agência bancária. A indenização pelos danos materiais foi fixada em R$ 7.539,84 e o ressarcimento pelos danos morais em R$ 2 mil.

O cliente nomeado apenas como E.G.S. ajuizou ação na 5ª Vara Cível da Comarca de Olinda, narrando que, após sacar a quantia de R$ 6.021,84 referente ao seu FGTS, numa agência localizada no Shopping Plaza, não conseguiu - por motivos operacionais - transferir o valor para a sua conta corrente do Banco Santander.

Assim, dirigiu-se até a agência 1003/Parnamirim, onde foi vítima de roubo no estacionamento do banco, sendo o fato comunicado às autoridades policiais competentes. Após o assalto, a cliente se dirigiu ao estabelecimento bancário, onde tentou obter o ressarcimento do prejuízo sofrido, mas lhe foi informado que nada havia para ser restituído.

Na decisão de 1º Grau, a juíza Valdereys Ferraz observou que a responsabilidade das empresas pela reparação de danos causados aos consumidores, quando estas não prestam um serviço que não fornece a segurança esperada, está prevista no Artigo 14, §1º, do Código de Defesa do Consumidor.

No caso, segundo a Justiça, as empresas só poderão eximir-se de responsabilidade quando comprovado que não existiu falha na segurança, ou que houve culpa exclusiva de outrem. "Afigura-se, portanto, evidente a responsabilidade objetiva quando a omissão no dever de vigilância resultou em prejuízo para quem confiou na garantia de um serviço aparentemente seguro", registrou a juíza na sentença.

No apelo ao Tribunal, o banco alegou a ausência de provas concretas dos danos alegadamente sofridos pelo autor. O relator da ação no TJPE, desembargador Bartolomeu Bueno, em decisão terminativa, afirmou que agência bancária possui responsabilidade objetiva, considerando cabível a condenação por danos materiais e morais, uma vez que a vítima foi assaltada em seu estabelecimento, conceito que também inclui o espaço destinado ao estacionamento.

O banco interpôs um agravo legal para que o caso fosse apreciado pelo colegiado da 3ª Câmara Cível. Os desembargadores, por unanimidade, negaram provimento ao recurso, confirmando a sentença.

"Acho extremamente importante que todo consumidor, que não seja ressarcido por sofrer prejuízos nas dependências de estabelecimentos comerciais, procure o Poder Judiciário para garantir seus direitos. O estacionamento dos bancos, embora gratuito, é uma forma de fidelizar o cliente, sendo, portanto, uma extensão do próprio estabelecimento. É importante que toda pessoa que se sinta lesada, e não seja atendida voluntariamente pelo estabelecimento, recorra ao Judiciário", afirma Bartolomeu Bueno.


Fonte: Blog de Jamildo

Cresce número de famílias chefiadas só por mulheres para 37,3% em 2010

O Censo 2010 mostrou um aumento das famílias sob responsabilidade exclusiva das mulheres, que passou de 22,2%, em 2000, para 37,3% em 2010. Os dados estão na pesquisa Censo Demográfico 2010 - Famílias e domicílios - Resultados da Amostra, divulgada nesta quarta-feira (17) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Uma novidade na pesquisa foi a investigação sobre a responsabilidade compartilhada entre o casal na manutenção do lares. Nos domicílios ocupados por apenas uma família, 34,5% estavam nessa condição, o que soma 15,8 milhões de casas.

De acordo com o técnico do IBGE Gilson Mattos, nas famílias secundárias, que convivem com a principal, foi verificado que 53,5% são chefiadas somente por mulheres. "Provavelmente por conta de um divórcio, uma filha volta para a casa dos pais ou a filha tem um filho, mas não contrai matrimônio, continua na casa dos pais."

Outro dado divulgado foi a verificação do aumento na proporção de unidades domésticas unipessoais (com apenas um morador), que passaram de 9,2%, em 2001, para 12,1% em 2010. A coordenadora da pesquisa, Ana Lúcia Saboia, explica que, em muitos casos, são idosos cujos filhos já saíram de casa e perderam seus cônjuges.

"Há estudos que mostram que [isso] não é economicamente sustentável, um problema que tem ocorrido muito em países desenvolvidos. Nos países escandinavos, 40% das unidades domésticas são de pessoas que moram sozinhas, isso preocupa tanto pela questão econômica quanto pelo comportamento. No Brasil, esse fenômeno está começando a se configurar com as pessoas mais idosas", explicou.

A coordenadora cita alguns motivos para isso. "Uma porque envelheceram e perderam o companheiro e acabaram morando sozinha ou por opção mesmo", destaca. Essa situação é verificada no caso de 39,5% das mulheres e 10,4% dos homens, enquanto entre os solteiros a proporção sobe para 58,9% dos homens e cai para 38,7% das mulheres.


Fonte: Agência Brasil

Brasil gera 150,3 mil empregos em setembro e acumula 1,574 milhão no ano

O Ministério do Trabalho e Emprego registrou 150.334 novos empregos formais pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) no mês de setembro, o que corresponde a aumento de 0,39% na comparação com o mês anterior. Foi, porém, o segundo pior desempenho mensal de 2012, com queda de 28,23% em relação ao mesmo mês do ano passado.

Os números foram divulgados nesta quarta-feira (17) pelo secretário de Políticas Públicas de Emprego, Rodolfo Péres Torelly, que explicou que o resultado de setembro manteve a trajetória de expansão do emprego em 2012, mas sinaliza perda de dinamismo já apontada nos meses anteriores. Neste ano, só o mês de março teve desempenho melhor que o mesmo período de 2011.

Segundo Torelly, a geração de 1.574.216 empregos no acumulado do ano equivale a expansão de 4,15% no nível de emprego, mas é 26,89% menor que os 2,153 milhões de novos postos de trabalho computados de janeiro a setembro do ano passado.

Ele calcula que o número total de empregos no ano fique em torno de 1,470 milhão, uma vez que os meses de outubro e novembro são tradicionalmente de baixa geração de trabalho formal e dezembro tem sido sempre negativo.

Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostram que quase todos os setores da atividade econômica expandiram o nível de emprego, com destaque para a indústria de transformação, que gerou 66.191 postos de trabalho, ou 0,80% a mais que no mês anterior. Em seguida vieram serviços (55.221 vagas, ou +0,35%), comércio (35.919, ou + 0,42%) e construção civil (10.175 postos, ou +0,33%). A única queda foi registrada na agricultura, que demitiu 19.014 a mais que em agosto (-1,13%) por motivos sazonais.

O desempenho da indústria de transformação foi positivo em onze dos doze ramos que a integram e mostrou reação em sete segmentos industriais, comparados ao mês anterior. Destaques para a indústria de produtos alimentícios (40.366 postos, ou +2,13%), a indústria química (6.621 vagas, ou 0,69%), a indústria têxtil (4.370, ou 0,42%) e a indústria mecânica (3.653 postos, +0,59%).

Houve expansão generalizada do emprego em todas as regiões do país, com mais empregos no Nordeste (71.246), seguido do Sudeste (43.749), Sul (24.731), Centro-Oeste (5.414) e Norte (5.194). O crescimento de empregos ocorreu em 23 das 27 unidades da Federação, com maior aumento percentual (8,72%) no estado de Alagoas, que concentra boa parte da produção alimentícia e por causa do início da produção de açúcar. Em números absolutos, o estado teve a criação de 27.572 postos de trabalho

Os estados com queda no número de empregos foram: Minas Gerais (redução de 1.180 postos de trabalho), Tocantins (933), Acre (101) e Rondônia (91).


Fonte: Agência Brasil

Maioria desconhece volume de cálcio necessário para prevenir osteoporose

http://www.contrafcut.org.br/noticias.asp?CodNoticia=32312

17/10/2012 Contraf-CUT negocia com BNDES nesta sexta e cobra reajuste de 10,25 %

A Contraf-CUT, o Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro, a AFBNDES e demais associações dos funcionários retomam a negociação específica com o BNDES nesta sexta-feira (19), às 14h30, no Rio de Janeiro. Em rodada ocorrida no último dia 9, a diretoria do banco se comprometeu a apresentar uma proposta de índice de reajuste salarial nesta reunião. Os funcionários reivindicam reajuste de 10,25%.

Os trabalhadores reivindicam também a implantação de um novo plano de carreira, a ampliação do valor das férias e a incorporação da gratificação, entre outros pontos da minuta aprovada no 1º Congresso dos Funcionários do BNDES, realizado em agosto e entregue ao banco no dia 12 de setembro.

"É importante que o BNDES reconheça que os funcionários são os responsáveis pelos números extremamente positivos alcançados pelo banco neste ano e que precisam de uma proposta de acordo que dialogue com suas reivindicações", afirma Carlos de Sousa, vice-presidente da Contraf-CUT.


Fonte: Contraf-CUT com Seeb Rio

Após BB e Caixa, Itaú anuncia pequenas reduções no preço das tarifas

O Itaú anunciou nesta quarta-feira (17) que irá reduzir os preços de 23 tarifas de serviços - 15 para pessoas físicas e 8 para jurídicas - em até 32,5%.

A medida segue a que já foi tomada por Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, que cederam a pressão do governo para tentar reduzir o custo financeiro do país.

A iniciativa promete ser a nova ofensiva dos bancos públicos na disputa com as instituições privadas após a diminuição das taxas de juros.

As tarifas são a terceira frente de ataque dos estatais para provocar uma diminuição do custo financeiro no país e pressionar alterações semelhantes nos bancos privados. O movimento foi iniciado em abril com os juros. Avançaram depois para as taxas de administração de fundos de investimento.

Segundo o Itaú, o custo do pacote padronizado irá cair 6,2%, de R$ 10,50 para R$ 9,85.

"Com a medida, o banco pretende atrair novos clientes e valorizar os atuais", informou a instituição.


Veja as tarifas que terão custo reduzido:
- segunda via de cartões de débito e de poupança;
- sustação/ revogação de cheque: folha de cheque;
- saque em caixa eletrônico;
- extratos mensal e de movimentação de conta em meios eletrônicos;
- microfilme;
- DOC e TED pessoal, eletrônico, e pela internet;
- transferência de recursos; e
- ordem de pagamento.


As novas tarifas valem a partir de segunda-feira (22).


FONTE DE RECEITA

Após a redução dos ganhos com juros, os bancos passaram a buscar novas fontes de receita, como as comissões pela venda de produtos (seguro, previdência, fundos etc.) e serviços financeiros (cadastro, análise de crédito, emissão de documentos etc.).

Diferentemente do que acontecia com as taxas de juros, as tarifas são bastante alinhadas entre os bancos e monitoradas pelo Banco Central.

Desde abril de 2008, os bancos só podem elevar tarifas a cada seis meses e após comunicar os clientes com um mês de antecedência. Para reduzi-las, no entanto, o banco pode fazer a alteração sem qualquer aviso.



COMPARE AS NOVAS TARIFAS
PARA PESSOAS FÍSICAS VALOR ATUAL VALOR NOVO REDUÇÃO
Fornecimento 2ª via CARTÃO DE DÉBITO R$ 8,00 R$ 5,40 -32,50%
Fornecimento 2ª via CARTÃO POUPANÇA R$ 6,50 R$ 5,40 -16,90%
SUSTAÇÃO/REVOGAÇÃO de cheques R$ 11,50 R$ 10,75 -6,50%
Fornecimento de FOLHA DE CHEQUE R$ 1,45 R$ 1,20 -17,20%
SAQUE em terminais de autoatendimento R$ 1,70 R$ 1,20 -29,40%
Fornecimento EXTRATO mensal por meios eletrônicos R$ 1,85 R$ 1,40 -24,30%
Fornecimento EXTRATO movimento por meios eletrônicos R$ 1,85 R$ 1,40 -24,30%
Fornecimento de MICROFILME R$ 5,50 R$ 4,40 -20,00%
Transferência por meio de DOC pessoal R$ 13,50 R$ 13,30 -1,50%
Transferência por meio de TED pessoal R$ 13,50 R$ 13,30 -1,50%
Transferência por meio de DOC/TED eletrônico R$ 7,80 R$ 7,40 -5,10%
Transferência por meio de DOC/TED internet R$ 7,80 R$ 7,40 -5,10%
Transferência de Recursos na própria instituição - pessoal R$ 1,30 R$ 1,10 -15,40%
Transferência de Recursos na própria instituição em terminais de autoatendimento, internet e outros meios eletrônicos R$ 1,10 R$ 0,80 -27,30%
ORDEM DE PAGAMENTO R$ 26,60 R$ 24,70 -7,10%
Pacote Padronizado para Pessoa Física R$ 10,50 R$ 9,85 -6,20%
PARA PESSOAS JURÍDICAS VALOR ATUAL VALOR NOVO REDUÇÃO
Fornecimento EXTRATO mensal por meios eletrônicos R$ 1,50 R$ 1,40 -6,70%
Fornecimento de MICROFILME R$ 7,00 R$ 5,60 -20,00%
Transferência por meio de DOC pessoal R$ 13,50 R$ 13,30 -1,50%
Transferência por meio de TED pessoal R$ 13,50 R$ 13,30 -1,50%
Transferência por meio de DOC/TED eletrônico R$ 7,80 R$ 7,40 -5,10%
Transferência por meio de DOC/TED internet R$ 7,80 R$ 7,40 -5,10%
Transferência de Recursos na própria instituição em terminais de autoatendimento. R$ 1,30 R$ 0,95 -26,90%
Transferência de Recursos na própria instituição no telefone/internet R$ 1,20 R$ 0,95 -20,80%


Fonte: Folha.com

17/10/2012 TST condena empresa de recursos humanos por gerenciar "lista suja"

Incluir nome de empregado em "lista suja" atenta contra a dignidade da pessoa humana, na medida em que prejudica o trabalhador na obtenção de novos empregos, com nítido escopo discriminatório.

A Sexta Turma do TST manifestou esse entendimento e decidiu não conhecer do recurso de revista da Employer Organização de Recursos Humanos, que pretendia eximir-se da obrigação de indenizar um trabalhador em R$15 mil por danos morais, por tê-lo incluído na tal lista.

Como o recurso não foi conhecido permanece a decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (PR), que condenou solidariamente a Employer e Coamo Agroindustrial Cooperativa (empresa com a qual o empregado tinha vínculo).

Histórico

O caso da lista veio à tona na Cidade de Campo Mourão (PR) em julho de 2002, quando foi apreendida e denunciada pelo Ministério Público do Trabalho. Integravam a relação, elaborada em 2001, os trabalhadores que acionaram a Justiça, os que serviram como testemunhas, ou os que por qualquer outro motivo não eram bem vistos pelas empresas.

A Employer fazia a atualização com informações fornecidas pelas empresas suas clientes e gerenciava a circulação entre as mesmas, com o propósito de barrar a contratação de tais empregados.

A lista com cerca de sete mil nomes era chamada PIS-MEL em associação ao número do trabalhador no Programa de Integração Social (PIS) e a sigla "MEL", que significava "melou", ou seja, o trabalhador não era confiável e não deveria mais ser contratado.

TST

No recurso de revista, de relatoria na Sexta Turma pelo ministro Aloysio Corrêa da Veiga, a Employer argumentou que a manutenção de banco de dados é essencial à atividade das empresas especializadas em gestão de recursos humanos, e que se tratava de documento particular, sigiloso, não divulgado a terceiros.

Também afirmou que não houve prática de qualquer ato ilícito e que não há provas de que o trabalhador não tivesse conseguido outros empregos por seu nome constar da lista. Além disso, alegou a prescrição da matéria. Na peça, argumenta que o prazo prescricional de três anos (artigo 206, parágrafo 3, inciso V, do Código Civil) deveria ser contado da data da emissão da lista (6/6/2001), ou do ajuizamento da ação cautelar pelo Ministério Público (23/7/02), que tornou pública a sua existência.

A Turma, por unanimidade, não conheceu do recurso quanto à prescrição e ao dano moral. "A lesão está vinculada ao conhecimento da existência da lista pelo reclamante, momento que lhe causou prejuízo e dor", não havendo prescrição a ser declarada.

Quanto à indenização, a jurisprudência da Corte já está pacificada no sentido de manter a condenação por danos morais para casos de manutenção de "lista suja".

"Pelo nítido escopo discriminatório, independentemente de prova de prejuízo, referida conduta enseja o direito à reparação", consignou o colegiado.


Fonte: TST

Caixa vai abrir agência de negócios no Japão para atender brasileiros

A Caixa Econômica Federal vai abrir uma agência de negócios no Japão para atender os dekasseguis, brasileiros que trabalham no Japão. O presidente do banco, Jorge Hereda, se reuniu na terça-feira (16), em Tóquio, com dirigentes da Agência Reguladora do Sistema Financeiro Japonês (FSA).

Durante o encontro, Hereda entregou uma carta de intenções oficializando o interesse do banco em dar entrada no pedido de licença bancária no Japão, junto à Agência Japonesa.

Segundo o presidente da Caixa, o Japão é um parceiro estratégico do Brasil e faz parte do projeto de expansão internacional da Caixa. "Queremos abrir uma unidade de negócios no Japão para oferecer produtos atraentes para os japoneses e brasileiros, e apoiar as empresas na construção de bons negócios", afirmou.

Hereda reuniu-se também com Yoshikazu Izawa, presidente da maior instituição financeira do país, o Japan Post Bank. A Caixa e o Banco Postal japonês são parceiros nos serviços de remessas desde janeiro de 2011. No encontro, o presidente da Caixa apresentou aos executivos japoneses com os volumes negociados pelo banco brasileiro e o atual nível de crescimento da carteira de crédito.

O Japan Post Bank é o maior banco de poupança do mundo e possui a maior rede de atendimento do Japão. São mais de 8 mil pontos de atendimento habilitados para operar as remessas do convênio com a Caixa. O banco japonês possui também a maior rede de autoatendimento no Japão, com cerca de 26 mil terminais.

Caixa no Japão

A Caixa está presente no Japão há seis anos com um Escritório de Representação e vem atuando por meio de parcerias com o Japan Post Bank (Correios Japonês) e o Iwata Shinkin Bank.

Com a obtenção da licença bancária, a Caixa poderá atuar ativamente no mercado japonês oferecendo diretamente produtos bancários e fortalecendo parcerias com empresas japonesas e brasileiras.


Fonte: Portal Fator Brasil - Rio de Janeiro

Entidades querem reforma política para ampliar democracia representativa

Entidades da sociedade civil organizada apresentaram nesta quarta-feira (17), na Câmara dos Deputados, em evento com deputados e senadores, um conjunto de propostas para reforma do sistema político do país. Entre as alterações sugeridas estão ampliar a participação direta da população nas decisões legislativas e instituir o financiamento público de campanhas.

As propostas são parte de um projeto de lei de iniciativa popular para o qual essas entidades recolhem, há seis meses, assinaturas de adesão em vários estados. As organizações estão associadas por meio da Plataforma dos Movimentos Sociais pela Reforma do Sistema Político. Da mesma forma que na tramitação do projeto que resultou na Lei da Ficha Limpa, a iniciativa necessita de 1,5 milhão de apoios populares.

Cartilha do movimento apresentada aos parlamentares explica que a plataforma "é uma articulação de várias organizações, movimentos, fóruns e redes sociais que, desde 2005, vêm questionando mais sistematicamente a democracia brasileira, o modo tradicional de fazer política e as interdições ao direito à participação de toda a sociedade".

A redução do número de apoios para apresentação dos projetos de lei de iniciativa popular é uma das principais propostas. O movimento quer ainda prioridade da tramitação no Congresso para essas matérias. Além disso, qualquer mudança em projeto popular só poderia ocorrer por referendo.Visando a estimular a coleta das assinaturas, os representantes do movimento também estão divulgando suas propostas por meio de vídeos.

"A proposta de reforma política vai, no nosso entender, além do sistema eleitoral. Uma reforma política amplia o espaço de participação pela democracia direta, por exemplo, com o aumento de referendos e plebiscitos", disse o representante do Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc), José Antônio Moroni.

Na proposta de reforma política, além da redução do número de apoios, está prevista ainda a simplificação do processo de coleta de assinaturas para a apresentação de projetos de lei de iniciativa popular. Para isso, seria permitida a adesão por formulário impresso, urna eletrônica e assinatura digital pela internet. Os apoiadores seriam identificados pelo nome completo, data de nascimento e município em que vota.

Para aumentar a participação popular na vida política do país, a sociedade também teria que se manifestar obrigatoriamente por plebiscitos e referendos sempre que propostas legislativas alterassem temas específicos, a exemplo da criação, incorporação, fusão e desmembramento de estados e municípios, além de criação de territórios federais.

Projetos ou resoluções de aumento de salários e benefícios dos parlamentares, ministros de governo, presidente da República e ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), pela proposta dos movimentos sociais, também dependeriam de autorização popular. Outro assunto que passaria a depender de plebiscito ou referendo são os acordos de livre comércio.

A deputada Jô Moraes (PCdoB-MG) defendeu o aperfeiçoamento dos instrumentos da democracia representativa. Ela destacou, por exemplo, a redução do número de apoio popular exigido atualmente para que a sociedade apresente um projeto de lei. Jô Moraes disse que esse número poderia ser reduzido de 1,5 milhão para 500 mil assinaturas.

"Os movimentos sociais têm que entender que não podem se afastar do processo político, que não é só pressão", acrescentou a deputada. Ela considerou importante o fato de os representantes dos movimentos sociais terem promovido o lançamento da cartilha explicativa da proposta na Câmara dos Deputados.


Fonte: Agência Brasil

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Caixa divulga informações sobre acertos complementares na folha de outubro

A Caixa Econômica Federal divulgou na terça-feira, dia 16, circular externa informando sobre os acertos complementares na folha de pagamento de outubro, decorrentes do reajuste salarial de 7,5%, conforme acordo aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho 2012/2013, firmado entre Contraf-CUT, federações e sindicatos com a direção da empresa, no último dia 4.

É informado, por exemplo, que foi efetuado acerto referente às horas extras, adicional de sobreaviso e adicional noturno pagos em setembro deste ano. A empresa também efetuou o pagamento das diferenças dos valores relativos às conversões de licença-prêmio, Apip e ou IP Judicial do período de 1º a 30 de setembro, bem como das férias iniciadas na mesma época.

Na folha de novembro, o banco pagará as diferenças dos valores referentes às conversões de licença-prêmio, Apip e IP Judicial efetuados no período de 1 a 2 de outubro, assim como dos valores relativos às férias cujo adiantamento foi pago em igual período. A Caixa informa que, a partir do dia 3 de outubro, os valores foram calculados e creditados corretamente, já sob o parâmetro da nova tabela salarial.

A circular do banco diz ainda que, para os empregados sindicalizados ou associados, cuja base de cálculo foi reajustada, o desconto das diferenças de contribuição de setembro será efetuado na folha de pagamento de novembro deste ano. No caso do vale-transporte, houve acerto para o desconto da diferença de 4% do salário-padrão relativo a setembro, tendo em vista o reajuste conquistado na campanha salarial deste ano.

Também foi efetuada a contabilização do adiantamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR), creditado em 10 de outubro, bem como o desconto do Imposto de Rende incidente, conforme CI Depes/Suape 019/2012. O acerto prevê ainda o pagamento da diferença da suplementação decorrente da licença para tratamento de saúde/acidente de trabalho, assim como da remuneração de licença maternidade/adoção referente a setembro deste ano, quando o empregado faz jus.

Foi efetuado o acerto da diferença correspondente ao valor do Programa de Assistência à Infância (PAI) do mês de setembro. O crédito dos auxílios alimentação, refeição e cesta-alimentação, com reajuste de 8,5%, será efetuado em 19 de outubro nos cartões correspondentes, conforme o caso. Os valores são retroativos a 1º de setembro/2012, data-base da categoria bancária.

Dúvidas deverão ser encaminhadas ao atendimento da Caixa, on-line, via chat: http://ceationline.caixa, ou via Siate pelo endereço http://siate.caixa ou pelo telefone 0800 721 2222.

Os casos omissos serão tratados pela Superintendência Nacional de Administração de Pessoas.


Fonte: Contraf-CUT com Fenae Net

CMN estuda criação de fundo garantidor de crédito para cooperativas

A Organização das Cooperativas Brasileiras espera que o Conselho Monetário Nacional (CMN) autorize neste mês a criação de um fundo garantidor de crédito. De acordo com o gerente do Ramo Crédito da OCB, Silvio Giusti, atualmente o setor conta com cerca de 1,2 mil cooperativas. Desse total, aproximadamente 550 já têm fundos garantidores. A ideia, discutida com o governo, é estabelecer um padrão e criar um fundo único.

"A criação do fundo vai permitir que o cooperativismo tenha mais poder de competitividade", disse Giusti. O setor bancário tem o Fundo Garantidor de Créditos (FGC) desde 1995. O FGC é uma entidade privada, sem fins lucrativos, que administra o mecanismo de proteção aos depositantes e investidores em caso de intervenção ou liquidação de instituições financeiras. A garantia do FGC não abrange depósitos feitos em cooperativas.

Segundo Giusti, o fundo das cooperativas, assim como o FGC, deve oferecer garantia até R$ 70 mil de depósitos por CPF (pessoa física) ou CNPJ (empresas), em caso de liquidação.

No futuro, acredita o gerente, o fundo das cooperativas também poderá funcionar como sistema de apoio financeiro para as entidades do setor com problemas de liquidez (recursos disponíveis).

De acordo com dados do Banco Central, os depósitos em cooperativas cresceram 21,2%, ao passar de R$ 38 bilhões, em dezembro de 2011, para R$ 46 bilhões, em junho deste ano. O patrimônio apresentou expansão de 10,6%, ao chegar a R$ 17,6 bilhões, e os empréstimos cresceram 9,9%, ficando em R$ 41,6 bilhões em junho deste ano.


Fonte: Agência Brasil

Fórum Social Mundial 2013 acontece na Tunísia entre 26 e 30 de março

Pela primeira vez, a Tunísia recebe uma edição do Fórum Social Mundial (FSM), que começou em 2001, em Porto Alegre. O evento de 2013 está confirmado para o período de 26 a 30 de março.

Para isso, o Comitê de Acompanhamento do Fórum Social Magrebino e a Secretaria tunisiana do FSM 2013 convidam os sindicatos, as associações, os grupos de ativistas e a sociedade civil da Tunísia, do Magreb, do Mashreq, da África, do Mediterrâneo e de todo o mundo para fazer com que a edição deste ano seja um êxito em nível de organização e participação.

Caberá ao Fórum Social Mundial 2013 promover o reencontro de homens e mulheres que estão lutando em suas comunidades e em sua vida cotidiana contra a gestão neoliberal da economia, contra as exigências dos mercados financeiros, e contra o deslocamento de sociedades que lutam pela construção da democracia, pela igualdade, solidariedade, justiça e paz de todos e todas e pela defesa do meio ambiente, assim como em defesa dos bens comuns.

O compromisso é fazer do FSM 2013 um evento "estendido", de modo a permitir a participação ativa das organizações, redes e movimentos da sociedade civil de todo o mundo, seja qual for o tamanho da delegação que possam enviar à Tunísia.

As inscrições para o Fórum Social Mundial 2013 serão abertas em breve. A estimativa é de que pelo menos mais de 300 mil pessoas e 8 mil organizações devem participar da edição de 2013, que reunirá representantes de movimentos sociais, povos tradicionais, ONGs, sindicatos e grupos religiosos de mais ou menos 300 países. O evento é um contraponto ao Fórum Econômico Mundial, realizado anualmente em Davos, na Suíça.

Uma certeza, porém, permeia o FSM 2013: uma outra Tunísia, um outro Magreb-Machreq, uma outra África e um outro mundo são perfeitamente possíveis.


Fonte: Contraf-CUT com Fenae Net

Taxas de juros de cartões de crédito de lojas passam de 200% ao ano

No rastro das reduções de juros feitas pelos bancos, grandes redes de varejo, como C&A, Casas Bahia e Renner, também estão promovendo cortes nas taxas cobradas nos seus cartões.

Apesar disso, os juros dos cartões de loja ainda estão entre os maiores cobrados no país, podendo passar de 200% ao ano.

Recentemente, o Bradesco anunciou um corte nos juros cobrados nos cartões de crédito emitidos pelo banco. A redução, que passa a valer em novembro, vai contemplar os cartões chamados de "private label", oferecidos por redes de varejo.

Entre as redes cujos cartões são administrados pelo Bradesco, estão C&A, Casas Bahia, Lojas Colombo, Makro, Luigi Bertolli e O Boticário.

TARIFAS

Preste atenção nas tarifas cobradas pelas administradoras dos cartões de loja. Alguns cartões, por exemplo, não cobram anuidade. Só que geralmente é preciso pagar tarifa de manutenção. "Oferecem o cartão como sendo gratuito, mas na verdade não é", alerta Hessia Costila, economista da Proteste.

As taxas cobradas variam de acordo com cada rede, mas, seguindo a nova política do banco, terão de ficar entre 1,9% e 6,9% ao mês no crédito rotativo. O rotativo é usado quando o cliente não paga a fatura integralmente em dia e precisa rolar a dívida.

Até agora, as taxas dos cartões de loja administrados pelo Bradesco variavam de 2% a 14,9% ao mês.

Os clientes da Renner também devem pagar menos juros no rotativo dos cartões da rede a partir de novembro, segundo previsão da empresa. A taxa máxima cairá de 15,8% para 9,8% ao mês.

Taxas de juros continuam muito altas

Mesmo após as reduções, as taxas dos cartões "private label" continuarão altas se comparadas com as de outras linhas de crédito.

Ao ano, o crédito rotativo dos cartões Bradesco ficarão em 122,71%. No caso da Renner, a taxa máxima será de 207,06% ao ano.

Para efeito de comparação, os bancos cobram, em média, 3,45% ao mês na linha de empréstimo pessoal, o que equivale a 50,23% ao ano. Os dados se referem às taxas médias coletadas pela Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade) em agosto.

Por isso, o ideal é sempre evitar usar o crédito rotativo dos cartões de loja.

Descontos não bastam para compensar tarifas

Além dos juros altos, os cartões de loja escondem outro tipo de cobrança que pode desequilibrar o orçamento: as altas tarifas de serviços.

Em estudo divulgado em abril deste ano, a associação de consumidores Proteste alertou que muitas lojas alardeiam o fato de seus cartões não terem anuidade. Só que é comum que se cobre tarifa de manutenção, por emissão da fatura e extrato. "Oferecem o cartão como sendo gratuito, mas na verdade não é", afirma Hessia Costilla, economista da Proteste.

A economista diz que todas essas cobranças podem acabar colocando por terra os eventuais benefícios oferecidos pelos cartões, como descontos nas compras. Por isso, para quem quiser economizar, a dica dela é que faça uma boa pesquisa de preços em lojas diferentes.

Outra orientação dela é que o consumidor não faça empréstimos ou saques com estes cartões. "Se o consumidor precisar de dinheiro, é melhor pegar empréstimo no banco."


Fonte: UOL

Correios só deixam entrar um cliente por vez para evitar assaltos em Alagoas

Em Alagoas, os Correios adotaram uma medida drástica para tentar diminuir o número de assaltos nas agências: agora, só entra um cliente de cada vez. É o único estado do país onde isso acontece e, das 110 agências, 104 adotaram a medida.

A direção dos Correios disse que não vai comentar o assunto, mas que vai haver uma reunião no fim da semana para discutir medidas de segurança. O problema também acontece em outros locais e já foi parar na Justiça.

A pequena agência do município de Poço das Trincheiras, no sertão de Alagoas, foi o alvo dos bandidos, que aproveitaram o pouco movimento no horário do almoço.

"Eles saíram correndo ele e a menina atrás. Correram e entraram em um beco e já tinha um carro ali atrás esperando por eles", conta uma testemunha.

Em outra agência dos Correios, em Rio Largo, Região Metropolitana de Maceió, um homem saca a arma e obriga um funcionário a abrir o cofre.

Das 110 agências em Alagoas, 60 têm segurança armada. Além disso, desde junho, só é atendido um cliente por vez. A medida, de acordo com a Direção Nacional dos Correios, tenta diminuir a grande quantidade de assaltos, mas não acabou com eles.

"E a gente fica aqui fora e é pior ainda. Era melhor se estivesse lá dentro do que aqui fora", diz.

Em todo o estado de Alagoas houve 60 roubos a agências dos Correios este ano, segundo o sindicato da categoria. Ano passado foram 38.

No Piauí, até o mês de agosto, foram 48 agências assaltadas. Na Paraíba, 72 agências foram assaltadas no ano passado.

No Rio Grande do Norte, uma determinação da Justiça obrigou as agências que funcionam como banco postal do BB a terem segurança armada. Ano passado, foram 44 assaltos, mas o número subiu para 74 esse ano.

"O conhecimento passou a ser público que um alto volume de recursos passou a ser movimentado e, em função disso, chamou a atenção para esses assaltantes", explica o delegado.


Fonte: Contraf-CUT com G1

Quadrilha cava túnel e ataca empresa de transporte de valores em São Paulo

 
Fábio Turci
G1

Em São Paulo, a empresa de transporte de valores que uma quadrilha tentou assaltar no fim de semana revelou nesta terça-feira (16) que R$ 700 mil desapareceram, apesar de grande parte de o dinheiro ter sido recuperada.

Na hora de abrir os bueiros, as tampas não saíam. Os ladrões tinham colado as tampas. Embaixo, nas galerias, os funcionários da prefeitura encontraram a cola e também pás e latas para retirar terra da escavação feita pelos criminosos.

Com uma micro-câmera, os técnicos inspecionaram o subsolo para identificar os estragos que vão ter que ser consertados. O túnel aberto pelos ladrões tinha sacos plásticos, garrafas d´água, um ventilador e uma bateria de caminhão, que deve ter sido usada para alimentar a iluminação o local. Foi assim que a quadrilha preparou o assalto a uma empresa de valores, na zona sul de São Paulo.

Um ônibus estacionado em cima de um bueiro escondia os ladrões enquanto eles desciam por um fundo falso do veículo. Percorriam 250 metros entre galerias de esgoto e de águas de chuva até chegar ao túnel, de 15 metros, que terminava no cofre da empresa.

O roubo seria na madrugada de domingo (14), mas o alarme disparou e a polícia veio. Um ladrão morreu atropelado pelos próprios comparsas, dois foram mortos na troca de tiros com os policiais e um acabou preso. Parte do dinheiro que a quadrilha tentou levar ficou espalhada nas galerias.

Quase todos os R$ 14 milhões que estavam nos malotes foram recuperados, mas ainda faltam R$ 700 mil. Segundo a empresa, um dos sacos de dinheiro se rasgou na fuga e as cédulas podem ter sumido nas galerias, mas nada foi encontrado nesta terça-feira. A polícia acredita que dez criminosos tenham conseguido fugir.


Fonte: Contraf-CUT com G1