sábado, 1 de outubro de 2011

Quarto dia da greve e bancários paralisam 7.865 agências



A greve nacional dos bancários cresce ainda mais em todo o país, são 7.865 agências paralisadas. O balanço foi feito pela Contraf-CUT, a partir dos dados enviados pelos sindicatos até as 18h30.

Este 4º dia da greve nacional foi marcado pelas manifestações dos bancários em conjunto com os trabalhadores dos correios, pelo reconhecimento da greve na justiça e pelas negativas sucessivas de interditos ao Bradesco,  Itaú,  Santander,  e   Banco do Brasil  em diversas Varas do Trabalho.

SITUAÇÕES ABSURDAS

1ª ) Até o momento, os episódios de truculência estão ocorrendo no Banco do Brasil, que lamentavelmente dá indícios que cada vez mais se assemelha aos bancos privados.


2ª ) Os bancos brasileiros são os maiores da América do Sul. Os seis maiores bancos que operam no Brasil lucraram R$ 25,9 bilhões no primeiro semestre de 2011. Esse ganho estrondoso significa um aumento de R$ 4,3 bilhões em relação ao mesmo período do ano passado, um crescimento médio de 20,11%. E os bancos negam 12,8% de reajuste. Enquanto isso, o Itaú compra carteira de clientes premium do HSBC no Chile.
Devido a estes descasos, a greve continuaránesta segunda-feira, 03/10.
Queremos ser atendidos e isto significa reajuste salarial, PLR maior, melhores condições de trabalho, muito mais segurança, emprego decente e elevação do piso salarial. Aliás, o piso do bancário brasileiro é uma piada se comparado aos bancários argentinos e uruguaios, conforme pesquisa feita pelo DIEESE.



sexta-feira, 30 de setembro de 2011

COMUNICADO

PRÓXIMA ASSEMBLEIA
SEGUNDA-FEIRA (03/10)
ÀS 17 HORAS - CONVOCAÇÃO ÚNICA
AUDITÓRIO DO SINDICATO DOS BANCÁRIOS

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

O FURA-GREVE


Companheiras e Companheiros,

Passamos, praticamente, o ano todo "produzindo" muito mais para o banco do que para nós. Algumas vezes, pensamos mais nele do que em nós. E respeitamos as determinações dos bancos, mesmo contrariando as nossas convicções. 

A Campanha Salarial é o nosso momento. Ela é construída coletivamente e suas decisões são deliberadas em assembleia. E a  greve é uma destas deliberações. Por isso, furá-la constitui num ato desrespeitoso, ofensivo, mesquinho... E que talvez nem o próprio FURÃO (foto acima)  consiga responder quais suas motivações.

E mesmo que consiga a greve é breve. Passageira. Mas olhar nos olhos dos companheiros. Encará-los diariamente durante todo ano dentro da agência deve(rá) ser angustiante. Argumentar(á) o quê?

A resposta estimados não tenho, mas sei que COM UNIDADE, RESPEITO, LUTA E MOBILIZAÇÃO PODEREMOS AVANÇAR.

Acesse o link e leia mais uma vitória da unidade e luta: http://www.contrafcut.org.br/noticias.asp?CodNoticia=28191

Sobre fura -greve acesse: http://blogdoeduardomoraes.com/blog/?p=2763

Bancários param 7.672 agências no terceiro dia da greve nacional







GREVE SE MANTÊM FORTE E 32 AGÊNCIAS CONTINUAM FECHADAS

Os bancários e as bancárias de Nova Friburgo e Região mantiveram paralisadas 32 agências neste terceiro dia de greve geral por tempo indeterminado. Em 2010, foram no máximo 25 agências fechadas.

A estimativa da direção do SEEB-Nova Friburgo é que cerca de 80% dos 700 bancários aderiram ao movimento. Os municípios Nova Friburgo, Cachoeiras de Macacu e Cantagalo que possuem o maior contigente de bancários estão  com 100% das agências paralisadas. "Hoje, conseguimos manter trinta e duas paralisadas. A greve continua crescendo em todo país. No primeiro dia foram 4.191 agências e ontem 6.248, e esta tendência deve forçar os banqueiros a retomarem as negociações", analisa Max Bezerra, presidente do Sindicato.
 
Amanhã, 30/09, não faremos assembleia. A próxima será segunda-feira, 03/10ás 17 horas em convocação única.


Itaú-Unibanco (11 ags) Nova Friburgo 0222, Olaria 6025, Ceasa 6026, Getúlio Vargas 6542, Conselheiro Paulino 7459, Centro 8230, Caledônia 8736, Braune 9204,Cachoeiras de Macacu 4843, Papucaia 6027 e Cantagalo 6120.

Bradesco (6 ags) Nova Friburgo 0540, Conselheiro Paulino 1332, Olaria 2813, Braune 3078, Cachoeiras de Macacu 2050 e Cantagalo 2038.

Banco do Brasil (6 ags) Nova Friburgo 0335, Olaria 4396, Conselheiro Paulino 5650, Cachoeiras de Macacu 1688, Carmo 3712 e Cantagalo 0107.

Caixa Econômica Federal (6 ags) Nova Friburgo 0186, Olaria 1623, Conselheiro Paulino 4119, Cantagalo 0970, Bom Jardim 2060 e Cachoeiras de Macacu 2061.

Santander (2 ags) Nova Friburgo 3216 e Conselheiro Paulino 4220.

HSBC (1 ag) Nova Friburgo 0269.

Greve dos bancários: adesão total na cidade de Nova Friburgo




Bancários em greve: usuários correm para os caixas eletrônicos

Impasse nas negociações resultou em nova greve dos bancários, que reivindicam sempre mais do que os banqueiros oferecem. Além da parte financeira—o atual piso é de 2,2 salários mínimos (R$ 1.199) e os bancários querem passar para três salários mínimos—outros pontos foram incluídos na pauta de reivindicações, o que tem acirrado as negociações.


Para a professora Ângela Fernandes a clientela usa os caixas eletrônicos como opção em época de greve, embora dê preferência ao atendimento humanizado, até por haver quem não saiba lidar com as máquinas ou internet. Ele ressalta que a greve é um direito constitucional, conseguido a duras penas pelos trabalhadores. Sentindo-se prejudicados, os bancários tomam essa decisão como forma de pressão junto ao patronato.


Ângela salienta que as empresas atualmente se diferenciam umas das outras justamente pelo atendimento. “Hoje em dia o que atrai o cliente é o atendimento. Eu não acredito que a gente possa ser substituído por máquinas o tempo todo. Acredito, sim, que o atendimento é fundamental, com aquela pessoa que já te conhece nos bancos, te chama pelo nome, que sabe das suas demandas. Essa relação interpessoal é muito importante. O banco que investir no atendimento personalizado com certeza vai ganhar mais, porque é isso que o cliente procura: o melhor atendimento”.


Já o ex-bancário Custódio de Almeida Câmara concorda, em parte, que a greve dos bancários prejudica os clientes em geral, porém os mais atingidos são idosos, que não têm conhecimento para fazer suas transações no caixa eletrônico. Por outro lado, os que têm mais dinheiro sempre conseguem fazer seus movimentos, malotes, enfim, têm alguns privilégios. Para esses acaba não havendo greve. Custódio julga que as partes deveriam se esforçar mais para chegar a um acordo, negociar mais e evitar a greve.
ESFORÇOS EXAURIDOS – O presidente do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Nova Friburgo, Max José Neves Bezerra, afirma que a greve é de cem por cento na cidade, com mais algumas outras agências na região, num total de 430 trabalhadores parados.
Uma das principais reivindicações é reajuste salarial de 12,8%, enquanto os bancos ofereceram 8%, o que representa 0,5% de aumento real, com que a categoria não concorda. Outras são melhorias do piso salarial, participação nos lucros e resultados (PLR), segurança, redução dos juros e tarifas para clientes, ampliação do horário para 9h às 17h, com dois turnos de trabalho, para gerar mais empregos; mais caixas, biombo para mais privacidade dos clientes nos caixas, revisão das metas, que são muito altas, provocando aumento das doenças nos bancários; e aumento do auxílio alimentação para um salário mínimo (atualmente de R$ 350), entre outras.


Até agora os bancos só aceitam conversar sobre a parte financeira e que as demais reivindicações cabem aos clientes, que devem fazer suas reclamações. O sindicato tem orientado os clientes insatisfeitos a procurar o telefone do Banco Central—0800-9792345—, os telefones 0800 de cada banco ou o Procon.


Max acredita que os entendimentos podem evoluir. Nas greves anteriores os bancários começavam do zero, nunca tinham nada, e agora já começaram com 8% (meio por cento acima da inflação), além dos bancos brasileiros terem apresentado o maior lucro semestral em todo o mundo.


O presidente do Sindicato dos Bancários justifica a greve da categoria afirmando que os esforços se exauriram. Foram seis rodadas de negociações desde 12 de agosto e nas quatro primeiras não houve proposta de reajuste. “A gente considera o diálogo a melhor saída, tanto que a assembleia aprovou que os caixas eletrônicos funcionem, os bancos estão disponibilizando alguns funcionários para esse atendimento, a compensação tem que funcionar, mas a gente considera que os bancos poderiam ter melhorado a proposta. Se eles quisessem ter acabado com a greve poderiam ter aceitado nosso pedido de 12,8%. A gente espera que tenha mais uma rodada de negociação e que a situação se resolva o quanto antes para os bancários voltarem à sua atividade com o reajuste que merecem”, finalizou o presidente do Sindicato dos Bancários.



Acesse o link e veja a reportagem 


http://www.avozdaserra.com.br/noticias.php?noticia=16377

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

GREVE SE ESTENDE E 32 AGÊNCIAS SÃO FECHADAS

Os bancários de Nova Friburgo e Região ampliaram a greve para 32 agências neste segundo dia de greve geral por tempo indeterminado. Em 2010, foram no máximo 25 agências fechadas.

A estimativa da direção do SEEB-Nova Friburgo é que mais de 70% dos 700 bancários aderiram ao movimento.

"Mesmo com alguns ruídos de alguns gestores querem ser mais realistas que o rei, a categoria com unidade e disposição conseguiu paralisar as atividades bancárias dos três municípios onde se concentram o maior número de bancários", explica o presidente do Sindicato dos Bancários de Nova Friburgo, Max Bezerra. "Informamos que estamos trabalhando para que o movimento se estenda para os demais municípios", finaliza.

O sindicato dos Bancários de Nova Friburgo que todos os dias há assembleias com avaliação do movimento  e informações sobre o cenário nacional e regional.

A assembleia de amanhã, 29/09, será realizada ás 17 horas em convocação única.

Itaú-Unibanco (11 ags) Nova Friburgo 0222, Olaria 6025, Ceasa 6026, Getúlio Vargas 6542, Conselheiro Paulino 7459, Centro 8230, Caledônia 8736, Braune 9204,Cachoeiras de Macacu 4843, Papucaia 6027 e Cantagalo 6120.

Bradesco (6 ags) Nova Friburgo 0540, Conselheiro Paulino 1332, Olaria 2813, Braune 3078, Cachoeiras de Macacu 2050 e Cantagalo 2038.

Banco do Brasil (6 ags) Nova Friburgo 0335, Olaria 4396, Conselheiro Paulino 5650, Cachoeiras de Macacu 1688, Carmo 3712 e Cantagalo 0107.

Caixa Econômica Federal (6 ags) Nova Friburgo 0186, Olaria 1623, Conselheiro Paulino 4119, Cantagalo 0970, Bom Jardim 2060 e Cachoeiras de Macacu 2061.

Santander (2 ags) Nova Friburgo 3216 e Conselheiro Paulino 4220.

HSBC (1 ag) Nova Friburgo 0269.

Greve cresce no segundo dia e bancários param 6.248 agências em todo o país

A greve nacional dos bancários se fortaleceu nesta quarta-feira (28), seu segundo dia, e aumentou para 6.248 o número de agências e centros administrativos de bancos públicos e privados fechados em 25 estados e no Distrito Federal. São 2.057 unidades fechadas a mais do que no primeiro dia de greve, quando foram paralisadas 4.191 unidades, de acordo com o balanço feito pela Contraf-CUT, a partir dos dados enviados pelos sindicatos até as 18h. Único estado ainda fora da mobilização, os bancários de Roraima aprovaram a deflagração de greve em assembleia realiza na noite desta terça e deverão se juntar ao movimento a partir do dia 3.

"O movimento está aumentando rápido de acordo com os relatos de sindicatos de todo o país. A força da greve é proporcional à insatisfação dos bancários, que cresce a cada dia sem manifestação por parte dos bancos", diz Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional dos Bancários. "A julgar pelos anos anteriores, o movimento deve continuar se fortalecendo e vamos trabalhar para isso. Estamos abertos para a retomada das negociações e cabe aos bancos apresentarem uma nova proposta", conclui.

Os bancários entraram em greve por tempo indeterminado após a quinta rodada de negociações com a Fenaban, ocorrida na última sexta-feira, dia 23, em São Paulo, quando foi recusada pelos trabalhadores a proposta de reajuste de 8% sobre os salários. Os bancários reivindicam reajuste de 12,8% (5% de aumento real), valorização do piso, maior Participação nos Lucros e Resultados (PLR), mais contratações, fim da rotatividade, melhoria do atendimento aos clientes, fim das metas abusivas e do assédio moral, mais segurança e igualdade de oportunidades.

"Nossas reivindicações são justas e as empresas têm todas as condições de atendê-las, como mostram os altíssimo valores da remuneração dos diretores e conselheiros de administração dos bancos", destaca Cordeiro. Segundo pesquisa do Dieese baseada nos balanços dos bancos, o conjunto dos altos executivos do Itaú recebeu R$ 683 milhões em 2010, enquanto os do Bradesco receberam R$ 298 milhões e os do Santander ficaram com R$ 207 milhões no ano.

"O Brasil é um dos países com maior diferença entre os salários. Aqui, um executivo de banco chega a ganhar 400 vezes a renda do piso de um bancário. É preciso modificar essa situação, que contribui para que mantenhamos uma vergonhosa posição entre as dez nações mais desiguais do mundo", sustenta o presidente da Contraf-CUT.


http://www.contrafcut.org.br/noticias.asp?CodNoticia=28160

Deu na mídia...




Nos links você terá acesso a diversas reportagem sobre a greve dos bancários veículada por diveras mídias:

http://www.redetv.com.br/jornalismo/portaljornalismo/Noticia.aspx?118,4,286055,102,Greve-de-bancarios-atinge-4-mil-agencias-no-pais-segundo-sindicato


http://www.band.com.br/noticias/economia/noticia/?id=100000458764


http://www.band.com.br/noticias/cidades/noticia/?id=100000458626


http://noticias.r7.com/economia/noticias/bancarios-entram-em-greve-em-todo-o-pais-20110927.html?question=10#quiz



http://www.band.com.br/noticias/cidades/noticia/?id=100000458493


http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1644621-7823-BANCARIOS+E+FUNCIONARIOS+DOS+CORREIOS+VOLTAM+A+NEGOCIAR+EM+BUSCA+DE+SOLUCAO+PARA+A+GREVE,00.html


http://www.tvfronteira.com.br/site/?noticia_id=16900

http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2011/09/27/bancarios-comecam-hoje-greve-nacional-por-tempo-indeterminado.jhtm


http://oglobo.globo.com/economia/mat/2011/09/27/greve-dos-bancarios-tem-adesao-em-quase-todo-pais-causa-transtornossindicato-925459473.asp


http://g1.globo.com/economia/seu-dinheiro/noticia/2011/09/clientes-se-dizem-prejudicados-com-greve-dos-bancarios.html


http://g1.globo.com/economia/noticia/2011/09/greve-dos-bancarios-fecha-mais-de-4-mil-agencias-no-1-dia-diz-contraf.html


http://www.correiodoestado.com.br/noticias/greve-dos-bancarios-fecha-mais-de-4-mil-agencias-no-1-dia-di_126415/

Doe Sangue! Doe Vida!

Os bancários e bancárias encontram-se em greve e a direção do Sindicato dos Bancários foi procurada pelo Hemocentro Regional de Nova Friburgo para solicitar a categoria que doe sangue.

Consideramos a solicitação uma ótima oportunidade para realizar este lindo gesto de amor ao próximo.

Portanto, pedimos a todos que estiveram dentro das especificações a seguir que procurem o Hemocentro fica localizado dentro do Hospital Raul Sertã e o horário para doação é de segundas às sextas-feiras das 8h às 12h.


Trazer documento oficial de identidade: carteira de identidade, de trabalho ou habilitação;

Ter entre 18 e 65 anos de idade;

Pesar mais de 50 kg

Estar bem de saúde;

Não precisa vir em jejum, apenas evitar alimentos gordurosos ou derivados do leite nas 3 horas que antecederem à doação;

Ter dormido no mínimo 6 horas.












Greve dos bancários é destaque no Jornal da CUT desta terça (27

 

 

 

Programa fala também sobre a campanha salarial dos metalúrgicos, além da cobertura de eventos com a participação da Central

Escrito por: CUT Nacional

No Jornal da CUT de hoje, você acompanha o informativo sobre a greve dos bancários, a campanha salarial vitoriosa dos metalúrgicos, além da cobertura de eventos com a participação da Central como o Seminário “Trabalhadores e Meio Ambiente”. Assista!

http://www.cut.org.br/destaques/21282/greve-dos-bancarios-e-destaque-no-jornal-da-cut-desta-terca-27

Greve dos Correios e dos bancos exige cuidado com as contas


Acesse o link (FONTE) e veja a reportagem: http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2011/09/greve-dos-correios-e-dos-bancos-exige-cuidado-com-contas.html

A mesma reportagem e dois momentos distintos durante sua execução.
Atenção no ofereciemnto.
Uma imagem vale mais do que mil palavras.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Bancários de 25 estados e do DF entram em greve




Acesse o link para assistir a matéria:
http://www.sbt.com.br/jornalismo/noticias/?c=10469&t=Bancarios+de+25+estados+e+do+DF+entram+em+greve

Bancários fecham 29 agências na base de Nova Friburgo e Região

Os bancários de Nova Friburgo e Região fecharam 29 agências neste primeiro dia de greve geral por tempo indeterminado. Em 2010, foram no máximo 25 agências fechadas.

A estimativa da direção do SEEB-Nova Friburgo é que cerca de 70% dos 700 bancários aderiram ao movimento.

Itaú-Unibanco (10 ags) Nova Friburgo 0222, Olaria 6025, Ceasa 6026, Getúlio Vargas 6542, Conselheiro Paulino 7459, Centro 8230,  Caledônia 8736, Braune 9204,Cachoeiras de Macacu 4843 e Papucaia 6027.
Bradesco (5 ags) Nova Friburgo 0540, Conselheiro Paulino 1332, Olaria 2813, Braune 3078 e Cachoeiras de Macacu 2050.
Banco do Brasil (5 ags) Nova Friburgo 0335, Olaria 4396, Conselheiro Paulino 5650, Cachoeiras de Macacu 1688 e Carmo 3712.

Caixa econômica Federal (6 ags) Nova Friburgo 0186, Oaria 1623, Conselheiro Paulino 4119, Cantagalo 0970, Bom Jardim 2060 e Cachoeiras de Macacu 2061.

Santander (2 ags) Nova Friburgo 3216 e Conselheiro Paulino 4220.

HSBC (1 ag) Nova Friburgo 0269.

Greve dos bancários paralisa atendimento em todo o interior



De acordo com a Fenaban, a greve é sem propósito.
Só o auto-atendimento funciona na maioria das agências.


Os bancários iniciaram nesta terça-feira (27) uma paralisação nacional. Eles querem 12% de aumento salarial. A Federação dos Bancos ofereceu 8% de reajuste. Apenas os caixas eletrônicos estão funcionando na maioria das cidades

Segundo o Sindicato dos Bancários de Nova Friburgo, todas as 21 agências da cidade estão sem serviços. Ainda há agencias fechadas em Cantagalo, Bom Jardim e Cachoeiras de Macacu.

Em Macaé, de acordo com o sindicato da categoria, 550 funcionários das 23 agências aderiram à greve. Só gerentes estão trabalhando em expediente interno.

Em Petrópolis, nos três maiores bancos da cidade, só os caixas eletrônicos funcionaram. A maior parte dos funcionários está parada, segundo o sindicato. Só serviços internos estão sendo mantidos.

Na Região dos Lagos, todas as cidades aderiram à greve. Somente os caixas eletrônicos funcionaram. Em Campos, de acordo com o sindicato bancários a adesão à greve é de 100%.

A Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) disse que já ofereceu 8% de reajuste e considera a greve sem propósito.

Acesse o link e veja a reportagem: http://in360.globo.com/rj/noticias.php?id=20992

Sem proposta de aumento, bancários entram em greve a partir desta terça

População terá que recorrer aos caixas eletrônicos,
 lotéricas e correspondentes bancários



Henrique Amorim

Depois de diversas rodadas de negociação com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) sem avanços, os bancários, como já era previsto, entram em greve a partir de hoje, 27, por tempo indeterminado. A categoria quer 12,8% de reajuste salarial, mas os banqueiros insistem em conceder 7,8% de aumento. A campanha salarial, segundo o presidente do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Nova Friburgo e região (Seeb), Max José Bezerra, reivindica também melhor valorização do piso da categoria, aumento do vale-alimentação e do auxílio-educação, mais contratações e segurança nas agências, evitando assim que os clientes sejam “empurrados” para os terminais de autoatendimento, mais vulneráveis a assaltos, além do combate as terceirizações de serviços e a grande rotatividade de funcionários. Com esses pleitos, o sindicato acredita que possa contribuir para a melhoria da qualidade do atendimento e a redução das filas, principalmente na primeira quinzena de cada mês quando a procura pelos serviços bancários é maior.

Com a deflagração da greve, a população será obrigada a recorrer aos caixas eletrônicos das agências, às lotéricas e aos correspondentes bancários (algumas lojas e supermercados) para realizar pagamentos de contas, saques e demais serviços bancários. Os terminais de autoatendimento serão abastecidos com dinheiro para a realização das transações financeiras. A greve tem início justamente nos últimos dias úteis do mês, quando a Previdência Social inicial o pagamento de benefícios a aposentados e pensionistas, o que geralmente aumenta a procura pelas agências. A partir de hoje, os aposentados terão que recorrer também aos caixas eletrônicos. Na semana que vem, a primeira de outubro, tem início o pagamento de salários de empresas privadas e o vencimento de contas diversas, o que também, certamente, resultará num maior movimento nos terminais de autoatendimento e nas lotéricas. Aos clientes, é preciso redobrar a paciência, pois as filas tanto nos caixas eletrônicos, como nas lotéricas e correspondentes bancários, serão inevitáveis.

Greve dos Correios continua. Quem tem contas a vencer deve imprimir boletos com código de barras na internet e pagá-los nas lotéricas sem multa

Os funcionários dos Correios permanecem desde o último dia 13 de braços cruzados. A categoria reivindica aumento imediato de R$ 400 nos salários, reajuste no vale-refeição e a contratação de 21 mil novos trabalhadores em todo o país. De acordo com sindicatos da categoria, adesão nacional ao movimento é de 80 mil funcionários. Em Nova Friburgo, as agências terceirizadas dos Correios funcionam normalmente, mas a entrega de correspondências está prejudicada. Com isso, quem tem contas a pagar nos próximos dias deve imprimir boletos com códigos de barras nos sites das empresas prestadoras de serviços (telefonia, cartões de crédito e planos de saúde, por exemplo) e pagá-los nas lotéricas e correspondentes bancários até a data do vencimento, sem multa. O Procon orienta ainda aos consumidores que usufruem de serviços fornecidos por empresas com sedes locais que solicitem a segunda via para pagamento das contas.
 


Bancários fecham 4.191 agências em todo o país no primeiro dia da greve

Nesta terça-feira (27), primeiro dia da greve nacional, os bancários fecharam 4.191 agências e centros administrativos de bancos públicos e privados em 25 estados e no Distrito Federal. O balanço foi feito pela Contraf-CUT a partir dos dados enviados pelos sindicatos até as 18h. Os bancários de Roraima estão realizando assembleia na noite desta terça e deverão se juntar ao movimento nesta quarta.

"A greve começou mais forte que a do ano passado, uma das maiores que fizemos nos últimos 20 anos, quando fechamos 3.864 unidades no primeiro dia de paralisação", afirma Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional dos Bancários. "Isso mostra a grande insatisfação dos funcionários com a postura dos bancos, que em cinco rodadas de negociação não apresentaram uma proposta decente que atenda as reivindicações da categoria", sustenta.

Os bancários entraram em greve por tempo indeterminado após a quinta rodada de negociações com a Fenaban, ocorrida na última sexta-feira, dia 23, em São Paulo, quando foi recusada a segunda proposta de reajuste de 8% sobre os salários. "A proposta também não contempla alorização do piso, PLR maior, fim da rotatividade, mais contratações, fim das metas abusivas, combate ao assédio moral, mais segurança, igualdade de oportunidades, melhoria do atendimento aos clientes e inclusão bancária sem precarização", diz Cordeiro.

"A proposta representa apenas 0,56% de aumento acima da inflação do período, o que está longe da reivindicação da categoria, de 12,8% (5% de aumento real). Enquanto isso, os seis maiores bancos que operam no Brasil lucraram R$ 25,9 bilhões no primeiro semestre, segundo levantamento do Dieese e da Contraf-CUT", afirma Cordeiro. "Isso quer dizer um aumento de R$ 4,3 bilhões em relação ao lucro do mesmo período do ano passado, com um crescimento médio de 20,11%. É preciso repartir esses ganhos com os bancários, maiores responsáveis pela enorme lucratividade das empresas", completa.


"A experiência de anos anteriores mostra que a tendência é o índice de paralisação aumentar nos próximos dias. Estamos abertos para a retomada das negociações, pois continuamos apostando no diálogo. Mas também estamos preparados para intensificar a mobilização e fazer a maior greve das últimas décadas para garantir avanços econômicos e sociais", acrescenta Carlos Cordeiro.


Acesse: Fonte CONTRAF - CUT

Lucros crescem 20,11% no 1º semestre e bancos têm de pagar PLR maior

Os seis maiores bancos que operam no Brasil lucraram R$ 25,9 bilhões no primeiro semestre de 2011, segundo levantamento da Subseção Dieese da Contraf-CUT. Esse ganho estrondoso significa um aumento de R$ 4,3 bilhões em relação ao mesmo período do ano passado, um crescimento médio de 20,11%.

Confira na tabela abaixo:


Lucro líquido dos 6 maiores bancos (em R$ Mil)
Banco Junho Variação
2010 2011 Percentual Absoluta
Banco do Brasil 5.076.256 6.289.715 23,90% 1.219.459
Caixa 1.667.684 2.274.308 36,38% 606.624
Bradesco 4.508.024 5.487.428 21,73% 979.404
Itaú Unibanco 6.399.142 7.132.508 11,46% 733.366
Santander (IFRS) 3.529.251 4.153.914 17,70% 624.663
HSBC 424.242 611.990 44,25% 187.748
Total 21.604.599 25.949.863 20,11% 4.345.264
Fonte: Demonstrações contábeis dos bancos.
Elaboração: Dieese Subseção Contraf-CUT/SP.



Bancos não querem pagar PLR maior

"Apesar do aumento dos lucros, os bancos não querem elevar a distribuição da PLR aos bancários, desrespeitando quem produziu esses ganhos bilionários", protesta o presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional dos Bancários, Carlos Cordeiro. A última proposta da Fenaban, rejeitada pelas assembleias dos bancários em todo país, prevê apenas reajuste de 8% sobre o modelo de PLR do ano passado, que estabelece uma regra básica e uma parcela adicional. "Isso significa um aumento real de somente 0,56%, distante do crescimento médio de 20,11% dos lucros dos bancos", compara.

A reivindicação de PLR dos bancários é o pagamento de três salários mais R$ 4.500 para cada funcionário. "O Brasil ocupa as últimas posições em distribuição de renda no planeta. Com esses lucros gigantescos, os bancos precisam fazer a sua parte, fazendo uma proposta decente para a categoria, com remuneração digna, o que passa sobretudo por elevação do aumento real, pagamento de uma PLR maior e valorização do piso", destaca Carlos Cordeiro.

Mas bônus dos executivos não param de crescer

Já os altos executivos dos bancos ganharam aumentos expressivos de remuneração anual. A maior alta foi no Bradesco. O conselho de administração, que havia faturado R$ 18,5 milhões em 2009, recebeu R$ 32 milhões no ano passado - um acréscimo de 72,9%.

O presidente do Bradesco, Luiz Trabuco, recebeu do banco em 2010 em salários e bônus a impressionante quantia de R$ 10,4 milhões, conforme a Folha de S.Paulo. Já o bancário do Bradesco que recebe o piso da categoria acumulou cerca R$ 26,4 mil no período, incluídos a PLR, vale refeição e cesta- alimentação. O maior executivo do banco recebeu, assim, 394 vezes mais que os funcionários com os menores salários do banco.

O Itaú Unibanco não divulgou à CVM o valor dos rendimentos do presidente, Roberto Setúbal, em 2010. No entanto, segundo o DCI, o banco destinou para o pagamento da diretoria estatutária o montante de R$ 87,6 milhões em 2010. Dessa forma, cada um dos 15 diretores recebeu média de R$ 5,84 milhões no ano, ou seja, 221 vezes a mais do que o piso do bancário, incluindo PLR e tickets.

No Santander, a assembleia de acionistas de 2010 aprovou uma remuneração anual de R$ 246,56 milhões para 48 diretores e 9 membros do conselho de administração, média de R$ 5,136 milhões por executivo - 194 vezes mais que o estimado para um bancário que recebe o piso da categoria, incluídos PLR e tickets.

O Banco do Brasil divulgou o salário do presidente Aldemir Bendine: R$ 800 mil em 2010, um valor 26,6 vezes maior que o ganho aproximado de um funcionário do BB que recebe o piso, incluídos PLR e tickets.

"É uma distância absurda, que escancara a falta de justiça social dentro dos bancos e da própria sociedade. O Brasil vem crescendo economicamente, já é a sétima maior economia do mundo, mas ainda se encontra entre os dez países mais desiguais. Isso precisa mudar", ressalta Carlos Cordeiro. "O Brasil precisa distribuir renda, e isso só acontece por força da mobilização dos trabalhadores por remuneração digna", enfatiza.

PLR aos aposentados e para todos os afastados

"Também reivindicamos o pagamento da PLR aos aposentados e para todos os afastados por acidente ou doença do trabalho", acrescenta Carlos Cordeiro.

"Os bancos precisam valorizar os seus aposentados, que muito trabalharam para a grandeza das instituições financeiras", justifica. "Já os bancários, que adoeceram e se encontram afastados há de um ano por motivos relacionados ao no trabalho, não podem continuar sendo discriminados na hora do pagamento da PLR", salienta. "Eles devem receber como se ativa estivessem, como sinal de respeito e dignidade", conclui.

PLR proporcional para quem foi dispensado ou pediu demissão

"Além de cobrar dos bancos PLR maior para todos os funcionários na ativa, queremos também o pagamento de PLR proporcional aos meses trabalhadores para todos os que foram dispensados ou pediram demissão ao longo do ano", salienta o presidente da Contraf-CUT.

Trata-se de uma reivindicação justa, que já está sendo reconhecida pela Justiça do Trabalho. Em ação movida pelo Sindicato dos Bancários do ABC, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo condenou o Bradesco a pagar a um ex-funcionário que pediu demissão a PLR proporcional ao período de trabalho no último ano, cujo contrato foi rescindido no dia 30 de setembro de 2010.


http://www.contrafcut.org.br/noticias.asp?CodNoticia=28143 

Bancos enrolam nas negociações e agora tentam impedir direito de greve

Depois de um mês e meio sem apresentar proposta decente, bancos apelam a contingenciamento para tentar obrigar empregados a trabalharSão Paulo - Mais uma vez os banqueiros estão desrespeitando o direito constitucional que os trabalhadores têm de ir à greve na luta por melhores condições de trabalho e salários mais justos.

Ao site do Sindicato dos Bancários de São Paulo chegam diariamente relatos de bancários que estão sendo obrigados a trabalhar em outros locais, montados para funcionar apenas durante a greve. É o contingenciamento por meio do qual as direções dos bancos tentam forçar seus empregados a trabalhar, desrespeitando o legítimo direito de manifestação dos trabalhadores.

"São práticas antissindicais e que desrespeitam o direito de greve, que é garantido pela Constituição de nosso país", afirma a presidenta do Sindicato, Juvandia Moreira, que orienta os bancários a denunciar caso estejam sendo pressionados a não aderir à greve.

"Se os bancos não querem que a greve prossiga, basta que eles façam proposta decente aos trabalhadores, melhorando o índice para o aumento real nos salários, valorizando o piso, vales refeição e alimentação, pagando PLR maior e melhorando as condições de trabalho", conclui Juvandia.



Greve nacional dos bancários começa com força em 25 estados e no DF

A greve nacional dos bancários, deflagrada nesta terça-feira, dia 27, começou com força em todo país. Segundo levantamento da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), que coordena o Comando Nacional dos Bancários, a paralisação já acontece em 25 estados e no Distrito Federal, paralisando agências de bancos públicos e privados.

O único estado sem greve é Roraima, onde ocorre assembleia dos bancários no início da noite desta terça-feira para decidir a adesão ao movimento.

Os bancários entraram em greve, após a quinta rodada de negociações com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), ocorrida na última sexta-feira, dia 23, em São Paulo, quando foi recusada a segunda proposta de reajuste de 8% sobre os salários. Anteriormente, os bancos haviam oferecido reajuste de 7,8%.

Para o presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional, Carlos Cordeiro, "a força da greve nacional mostra a enorme insatisfação dos bancários diante da proposta insuficiente da Fenaban, que representa apenas 0,56% de aumento real, não avança no emprego e nas condições de saúde, trabalho e segurança e não melhora o atendimento aos clientes".

A categoria quer reajuste de 12,8% (5% de ganho real mais a inflação do período), valorização do piso, maior participação nos lucros, mais contratações, fim da rotatividade, combate ao assédio moral, fim das metas abusivas, mais segurança, igualdade de oportunidades e inclusão bancária sem precarização, entre outros itens.

"Com a força da greve, esperamos retomar as negociações com a Fenaban e conquistar uma proposta decente para os bancários. Os bancos obtiveram lucros acima de R$ 27,4 bilhões no primeiro semestre e têm plenas condições de atender as reivindicações da categoria e oferecer contrapartidas sociais para o desenvolvimento do país", defende Carlos Cordeiro.

A greve também cobra avanços nas negociações específicas com os bancos públicos federais e estaduais.

Em assembleia específica, bancários do BRB aprovam proposta

Em assembleia específica realizada na noite desta segunda-feira (26), os bancários do BRB aprovaram por amplíssima maioria a proposta de acordo negociada entre o Sindicato e o banco na rodada de negociação nesta segunda-feira 26. 

A proposta aprovada contém reajuste salarial de 13% nos VPs, extensivos aos CPVPs, anuênios e quinquênios, além de reajuste geral de 8,5% sobre as demais verbas.

No conjunto de ticket e cesta alimentação, os valores passam de R$ 795,96 para R$ 900, equiparando a cesta à da Fenaban. 

Em relação à reivindicação do Sindicato de o banco revisar os juros do cheque especial dos funcionários, a proposta foi positiva, passando de 4,6% para 3,8%, mantendo a quantidade de saques e transferências isentas, extensivas aos aposentados.

O BRB também acatou a cláusula de redução da jornada em 1 hora para as mães, desde o sexto mês de nascimento até um ano, visando alongar e facilitar a amamentação. Segundo a diretora do Sindicato Cida Sousa, a conquista é muito importante. “Existem estudos que comprovam que a presença da mãe mais tempo com filho é benéfico para os dois”.

PCCR

O banco firmou compromisso com o Sindicato de equacionar a questão da 7ª e 8ª horas até o PCCR, que será implantado em janeiro de 2012 com impacto financeiro retroativo a setembro de 2011. Na mesma data serão antecipadas as questões específicas relativas aos auxiliares e assistentes administrativos.
Em relação aos assistentes de negócios, o BRB propôs a criação de uma nova função gerencial com valorização salarial de jornada de 8 horas como forma de resolver a questão.

Avaliação

“O resultado da assembleia atesta que a proposta foi aprovada com sentimento de vitória e reflete a capacidade de luta e de trabalho dos funcionários do BRB”, destaca a diretora do Sindicato e funcionária do BRB Cida Souza.

Os detalhamentos do acordo serão divulgados em breve nos canais de comunicação do Sindicato.

Contraf-CUT divulga carta aberta aos clientes sobre a greve dos bancários

 

A Contraf-CUT disponibiliza uma carta aberta aos clientes, explicando por que os bancários estão em greve nacional e afirmando que a culpa é dos bancos. O material pode ser impresso e distribuído para clientes e usuários, durante as manifestações da greve em todo país.

Clique
aqui para ler a versão online da carta aberta.

O material encontra-se disponível para impressão na seção Download do site da Contraf-CUT.


"Os banqueiros ganham dinheiro como ninguém neste país, mas desrespeitam tanto os seus funcionários quanto os clientes, os usuários e a sociedade brasileira", destaca o texto.


"Os maiores bancos lucraram mais de R$ 27,4 bilhões somente no primeiro semestre do ano. No entanto, eles propuseram reajuste de 8% aos bancários, o significa apenas 0,56% de aumento real. Enquanto isso, altos executivos chegam a ganhar até 400 vezes o valor do piso da categoria, mostrando que eles não querem distribuir renda e ajudar o Brasil a se desenvolver", aponta.


"Para atingir esses lucros gigantescos, os bancos pressionam os bancários a vender produtos aos clientes, mesmo que eles não precisem. Exigem metas cada vez maiores, impossíveis de serem atingidas. Por causa dessa pressão e do assédio moral, os bancários estão adoecendo cada vez mais. Mas os banqueiros não querem discutir medidas para preservar a saúde dos trabalhadores", ressalta.


"Contamos com o apoio e a compreensão dos clientes e pedimos desculpas por algum transtorno. Não restou outra alternativa para os bancários, após cinco rodadas de negociações sem receber uma proposta decente dos bancos", conclui o material da Contraf-CUT feito para todos os sindicatos e federações de bancários.
 

 

Assembleias deflagram greve nacional dos bancários por tempo indeterminado

Os bancários deflagraram greve nacional por tempo indeterminado, a partir da zero hora desta terça-feira (27), com o objetivo de pressionar a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) a retomar as negociações e apresentar uma proposta que atenda às reivindicações da categoria. A paralisação atingirá bancos públicos e privados.

A decisão foi tomada em assembleias realizadas na noite desta segunda-feira (22) pelos Sindicatos dos Bancários de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Curitiba, Porto Alegre, Campo Grande, Mato Grosso, Paraíba, Piauí, Alagoas, Espírito Santos, Campinas, Piracicaba, Juiz de Fora, Dourados, Vitória da Conquista e Teresópolis, entre outros, conforme informações das entidades remetidas para a Contraf-CUT, que coordena o Comando Nacional dos Bancários.


Conforme orientação do Comando Nacional, a categoria recusou a proposta de 8% de reajuste, feita pela Fenaban, durante a quinta rodada de negociações, na sexta-feira, dia 23, em São Paulo. "Isso significa apenas 0,56% de aumento real, continuando distante da reivindicação de 12,8% de reajuste (5% de ganho real mais a inflação do período)", afirma o presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional, Carlos Cordeiro.

Além disso, a proposta dos bancos não contém valorização do piso salarial, não amplia a participação nos lucros, e muito menos traz avanços em relação às reivindicações de emprego e melhoria das condições de trabalho. Os bancários reivindicam fim da rotatividade, mais contratações, fim das metas abusivas, combate ao assédio moral, mais segurança, igualdade de oportunidades e inclusão bancária sem precarização, dentre outras itens.

"Esperamos que a força da greve faça com que os bancos apresentem uma proposta que garanta emprego decente aos bancários. Com lucros acima de R$ 27,4 bilhões obtidos somente no primeiro semestre deste ano, os bancos possuem todas as condições de atender as reivindicações da categoria, de modo a valorizar o trabalhador, distribuir renda, reduzir desigualdades e contribuir para o desenvolvimento do país", avalia o dirigente sindical.

"Contamos com o apoio e a compreensão dos clientes e usuários, que sofrem com as altas taxas de juros, as tarifas exorbitantes, as filas intermináveis pela falta de funcionários, a insegurança e a precarização do atendimento bancário", conclui Carlos Cordeiro.

Veja os resultados das assembleias dos sindicatos até as 21h45 desta segunda-feira:

Aprovaram greve por tempo indeterminado:

São Paulo
Rio de Janeiro
Brasília
Belo Horizonte
Porto Alegre
Curitiba
Bahia
Alagoas
Ceará
Paraíba
Mato Grosso
Espírito Santo
Piauí
Pernambuco
Pará
Florianópolis
Campo Grande
Campinas
Juiz de Fora
Piracicaba
Teresópolis (RJ)
Itabuna (BA)
Sul Fluminense (RJ)
Jequié (BA)
Ipatinga
Dourados (MT)
São Leopoldo (RS)
Guarapuava (PR)
Vitória da Conquista (BA)
Itaperuna (RJ)
Guarapuava (PR)
Campos dos Goytacazes (RJ)
Cataguases (MG)
Uberaba
Feira de Santana (BA)
Cariri (CE)
Irecê (BA)
Andradina (SP)
Araçatuba (SP)
Campo Grande (MS)
Corumbá (MS)
Franca (SP)
Guaratinguetá (SP)
Jaú (SP)
Lins (SP)
Marília (SP)
Naviraí (MS)
Piracicaba (SP)
Ponta Porã (MS)
Pres. Venceslau (SP)
Ribeirão Preto (SP)
Rio Claro (SP)
Santos (SP)
São Carlos (SP)
S.J.do Rio Preto (SP)
S.J. dos Campos (SP)
Sorocaba (SP)
Três Lagoas (MS)
Tupã (SP)
Votuporanga (SP)
Jacobina (BA)
Extremo Sul (BA)

Banco de Brasília apresenta nova proposta em negociação com bancários

Bancários arrancam proposta do BRB com avanços

Na quinta rodada de negociação com a Contraf-CUT e o Sindicato dos Bancários de Brasília, realizada nesta segunda-feira (26), o Banco Regional de Brasília (BRB) apresentou contraproposta de reajuste salarial de 13% nos pisos de VP, extensivos aos CP/VPs, anuênios e quinquênios, além de reajuste geral de 8,5% sobre as demais verbas. A Contraf-CUT foi representada pelo secretário-geral Marcel Barros.


Nos conjuntos de ticket e cesta-alimentação, os valores passam de R$ 795,96 para R$ 900, equiparando a cesta à proposta nacional da Fenaban.


Em relação à reivindicação de revisão dos juros do cheque especial dos funcionários, a proposta foi positiva, passando de 4,6% para 3,8%, mantendo a quantidade de saques e transferências isentas, extensivas aos aposentados.


O BRB também acatou a cláusula de redução da jornada em 1 hora para as mães, desde o sexto mês de nascimento até um ano, visando alongar e facilitar a amamentação. Segundo a diretora do Sindicato, Cida Sousa, a conquista é muito importante. "Existem estudos que comprovam que a presença da mãe mais tempo com filho é benéfico para os dois".


PCCR


O banco firmou compromisso de equacionar a questão da 7ª e 8ª horas até o PCCR, que será implantado em janeiro de 2012 com impacto financeiro retroativo a setembro de 2011. Na mesma data serão antecipadas as questões específicas relativas aos auxiliares e assistentes administrativos.


Em relação aos assistentes de negócios, o BRB propôs a criação de uma nova função gerencial com valorização salarial de jornada de 8 horas como forma de resolver a questão.


O secretário-geral do Sindicato, André Nepomuceno, avaliou como positiva a negociação. "A proposta é positiva e avançamos significativamente. Agora, submeteremos o resultado da reunião à apreciação dos funcionários do BRB em assembleia que será realizada logo mais".


"É importante a presença de todos os funcionários do banco, sem exceção, na assembleia de hoje, para deliberar sobre a proposta específica do BRB", diz o diretor do Sindicato, Cristiano Severo.


Mais detalhamentos em relação à proposta serão apresentados na assembleia, que ocorre daqui a pouco, às 18h30, na Praça do Cebolão, no Setor Bancário Sul.
 

http://www.contrafcut.org.br/noticias.asp?CodNoticia=28110 

http://www.bancariosdf.com.br/site/index.php?option=com_content&view=article&id=8458:brb-apresenta-proposta-na-quinta-rodada-de-negociacao&catid=15:brb-banco-de-brasa&Itemid=24 

ASSEMBLEIA GERAL

Hoje 27/09 ás 17h30 no auditório do Sindicato.
Avaliação e irformes sobre o primeiro dia da greve nacional dos bancários.