quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Mensagem aos bancários

Que em 2011,

seus sonhos,

seus desejos

e seus projetos se realizem.

Diretoria do SEEB - NF

Não sei...


Não sei...
Se a vida é curta ou longa demais pra nós,
Mas sei que nada do que vivemos tem sentido,
Se não tocamos o coração das pessoas.
Muitas vezes basta ser:

Colo que acolhe,
Braço que envolve,
Palavra que conforta,
Silêncio que respeita,
Alegria que contagia,
Lágrima que corre,
Olhar que acaricia,
Desejo que sacia,
Amor que promove.

E isso não é coisa de outro mundo,
é o que dá sentido à vida.
É o que faz com que ela não seja nem curta, nem longa demais,
Mas que seja intensa, verdadeira, pura...
Enquanto durar.

Cora Coralina

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Trabalho Escravo no Brasil


De acordo com os arquivos que trazem as fiscalizações do Ministério do Trabalho e Emprego, Ministério Público do Trabalho, Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal que resultaram em resgate de trabalhadores a partir de 2003 até julho de 2009. Neste período foram resgatados do Trabalho Escravo 28.995 trabalhadores e no Estado do Rio de Janeiro 630.

Fonte: http://www.reporterbrasil.com.br/pacto/conteudo/view/20

Caixa confirma pagamento de delta retroativo para no próximo dia 30

Depois de pressionada pelo movimento nacional dos empregados, a Caixa Econômica Federal confirmou para o dia 30 de dezembro o pagamento dos valores retroativos e referentes às diferenças de salário por promoção por mérito no âmbito do Plano de Cargos e Salários (PCS), os chamados deltas. Para isso, a empresa fará um crédito extra dos valores relativos ao período de janeiro a dezembro.

No pagamento antecipado em 17 de dezembro, constava no contracheque dos empregados apenas a alteração da referência, ou seja, o valor do mês em vigor.

O pagamento dos deltas é uma conquista da luta dos empregados durante a Campanha Nacional dos Bancários 2010.

Para Plínio Pavão, secretário de Saúde do Trabalhor da Contraf-CUT, "a retomada da promoção por mérito foi o resgate de um direito dos empregados e que a Caixa deixou de cumprir em 2009, mas a força da greve fez com que a empresa voltasse atrás e a solução foi a distribuição de um delta retroativo a janeiro deste ano, uma vez que a demora inviabilizou o processo de avaliação".

"Também foi negociado a promoção referente ao exerício de 2010, mediante avaliação nos meses de janeiro e fevereiro de 2011 e pagamento na folha de março, conforme as regras definidas entre a Contraf-CUT e a Caixa", destaca Plínio.

(Fonte: Contraf-CUT com Fenae

Bancários ficam sem assistência após tiroteio na entrada do Bradesco

Um tiroteio em frente à agência do Bradesco da Rua Joaquim Floriano, na zona oeste, em São Paulo, levou pânico aos bancários no dia 21/12. Um cliente foi abordado por assaltante antes de entrar no banco. A ação desencadeou em tiros e a parte interna da agência foi atingida. Um dos disparos quase acertou uma bancária.

Mesmo diante do pânico de trabalhadores e clientes, o Bradesco negou assistência psicológica para os funcionários e reabriu o local logo em seguida. O argumento foi que não cabia o envio de ajuda médica, pois o fato ocorreu na parte externa da agência.

O Sindicato esteve no local e constatou que os bancários ficaram abalados com a situação. "Era nítido que alguns os funcionários não tinham condições de continuar o trabalho. O Bradesco agiu de forma insensível. A situação, mesmo sendo na parte externa, deixou os trabalhadores vulneráveis ao perigo. Portanto, caberia sim assistência" afirma a dirigente sindical Érica Godoy.

(Fonte: Seeb São Paulo)

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Santander não recua e mantém terceirização de cai-xas temporários e atendentes

Apesar da pressão da Contraf-CUT e entidades sindicais, o Santander não recuou e manteve o Projeto Verão 2010/2011 que prevê a contratação de um total de 140 caixas temporários e promotores de autoatendimento, através de uma empresa terceirizada, conforme instrução transitória baixado no dia 16/12. Em negociação ocorrida na sexta-feira, 17/12, em São Paulo, os dirigentes sindicais rejeitaram a terceirização e cobraram a admissão desses trabalhadores diretamente pelo banco, com o pagamento de todos os direitos garantidos aos funcionários.

"O banco não voltou atrás e disse que vai contratar por meio de uma terceirizada 40 caixas temporários e 100 atendentes para orientar os clientes nos caixas eletrônicos de 121 unidades", afirma o coordenador da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander e diretor do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Marcelo Sá.

"A terceirização precariza os direitos dos trabalhadores, pois esses temporários não terão, por exemplo, o plano de saúde dos funcionários do banco", denuncia Marcelo.

"Trata-se de uma medida totalmente injustificável, pois o banco terceiriza uma atividade-fim, que é o atendimento aos clientes", ressalta o funcionário do Santander e secretário de imprensa da Contraf-CUT, Ademir Wiederkehr.

"Essa medida está na contramão das discussões na Mesa Temática da Fenaban, onde trabalhadores e bancos debatem a reversão de áreas terceirizadas", salienta Ademir.

"O banco que é dirigido pelo atual presidente da Fenaban deveria dar exemplos para superar a terceirização, ao invés de abrir graves precedentes", aponta o diretor da Contraf-CUT. "Queremos a geração de empregos de qualidade, sem terceirização e sem precarização", reitera.

O projeto atinge unidades instaladas especialmente no litoral de São Paulo e do Rio de Janeiro. Os sindicatos já estão avaliando as medidas cabíveis para defender os direitos dos trabalhadores e combater a terceirização.

Na negociação, os dirigentes sindicais lembraram que vários bancos incentivam o deslocamento de funcionários de outras agências para o litoral nesta época do ano para auxiliar no atendimento da clientela nas praias. "Essa medida existia no Meridional e no Banespa e sempre funcionou com bons resultados para o banco e os trabalhadores", frisou o diretor da Federação dos Bancários do Rio de Janeiro, Paulo Garcez. Fonte: Contraf-CUT