sexta-feira, 1 de outubro de 2010

COMUNICADO AOS BANCÁRIOS E AS BANCÁRIAS

Antes da deflagração de uma greve, há uma série de trâmites. Publicação de editais, aviso de greve, realização de assembléia e, por fim, a paralisação das atividades. Tudo transparente, conforme determina a lei.
Mais importante que a formalidade jurídica é o respeito de todos - e neste caso não há exceções - pelas deliberações dos companheiros e companheiras que participam das assembléias. E o Sindicato como defensor dos trabalhadores, sempre cumpriu, cumpre e cumprirá aquilo que for decidido pelas assembléias.
Estamos em greve porque avidez de lucro dos banqueiros é ilimitada. Sua política é perversa, assedia e estimula a concorrência e o confronto entre colegas. Ela é tão vil que em alguns casos “cega” o trabalhador fazendo com que ele se volte contra aqueles que o protegem.
Por isso, é fundamental ter consideração com aqueles que estão nas comissões em frente das agências bancárias. Afinal, ninguém está ali por acaso, todos estão defendendo as reivindicações da categoria. Resistindo e enfrentado as adversidades de uma greve. E ninguém, sem exceções, tem o direito de “furar” a greve, zombar, desdenhar, desacatar ou provocar quem está lutando pela categoria e para o bem de todos.
Todos a luta! Até a vitória!

Sindicato dos Bancários de Nova Friburgo e Região

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Bancários fecharam 3.864 agências no 1° dia da greve

Ontem durante o 1º dia de greve, 24 agências bancárias ficaram fechadas e a estimativa é de que 400 bancários aderiram ao movimento.
No Brasil as assembleias decidiram pela greve em 137 sindicatos de todos os Estados mais o Distrito Federal.
De acrodo com o levantamento da Contraf-CUT (Confederação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro) até as 18h de ontem, 29/09, são 3.864 agências paralisadas. Em 2009 no 1° dia contra 3.585 agências.
O Sindicato dos Bancários de Nova Friburgo realiza assembléias diárias de avaliação do movimento. Hoje, aserá as 16h30 e 17h.
A seguir o documento nacional que será fixado nas agências bancárias.

CARTA ABERTA AOS CLIENTES
POR QUE OS BANCÁRIOS ESTÃO EM GREVE

Nós, bancários, estamos em greve em todo o país. Queremos explicar os nossos motivos, que são muitos:
1. Os banqueiros ganham dinheiro como ninguém neste país, mas desrespeitam tanto nós, trabalhadores, quanto os clientes e a sociedade brasileira.
2. Somente os cinco maiores bancos (Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco, Santander e Caixa) tiveram lucro líquido de R$ 21,3 bilhões no primeiro semestre deste ano. No entanto, recusam-se a valorizar os pisos salariais dos bancários.
3. O lucro dos bancos cresceu na média 32% em relação ao ano passado. Mas eles não querem dar 11% de reajuste que reivindicamos. Oferecem apenas a inflação do período de 4,29%.
4. Para atingir esses lucros absurdos, os bancos massacram os bancários. Nos obrigam a vender produtos aos clientes, mesmo que eles não precisem. Exigem metas cada vez maiores, impossíveis de serem cumpridas. Por causa do assédio moral e da pressão insuportável, os bancários estão adoecendo cada vez mais. Mas os banqueiros não querem discutir medidas para preservar a saúde dos trabalhadores.
5. Mesmo com esses ganhos, os bancos não querem investir mais em segurança para proteger bancários, vigilantes e clientes. Só de janeiro a setembro deste ano, 18 pessoas foram mortas em assaltos envolvendo bancos, por falta de segurança.
6. Os bancos demitem trabalhadores e quase não criam postos de trabalho. Não querem dar garantias para proteger o emprego nem contratar mais bancários para acabar com as filas e melhorar o atendimento aos clientes.
7. Os bancos aqui no Brasil cobram os juros e as tarifas bancárias mais altas do mundo. Eles só sugam e não oferecem nenhuma contrapartida à sociedade brasileira.
8. Por tudo isso os bancários estão em greve. Exigimos respeito. E acreditamos que um outro banco é possível, que coloque as pessoas em primeiro lugar.
Pedimos desculpas se nosso movimento lhe causar algum transtorno, mas contamos com sua compreensão.
Outro banco é preciso, com as pessoas em primeiro lugar
CONTRAF – CUTFEDERAÇÕES & SINDICATOS DOS BANCÁRIOS

Sem propostas dos banqueiros, a greve continua.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Diante da intransigência dos bancos, bancários vão deflagrar greve nacional

Os bancários participam nesta terça-feira, dia 28, das assembleias convocadas pelos sindicatos de todo o país para rejeitar a proposta dos bancos e votar o início da greve nacional da categoria por tempo indeterminado a partir desta quarta-feira, dia 29, conforme orientação do Comando Nacional dos Bancários, coordenado pela Contraf-CUT, que representa 146 entidades sindicais. A greve é a resposta dos bancários à postura intransigente dos bancos durante todas as rodadas de negociação.
Os trabalhadores encaminharam às empresas propostas que são fruto de um longo processo de discussões com a categoria em todo o país, aprovadas na 12ª Conferência Nacional dos Bancários. É uma pauta de reivindicações que prioriza reajuste de 11%, valorização dos pisos, PLR maior, combate ao assédio moral, fim das metas abusivas, garantia de emprego, mais contratações, igualdade de oportunidade, segurança contra assaltos e sequestros e fim da precarização via correspondentes bancários, entre outros pontos.
No entanto, a Fenaban optou por negar o atendimento das reivindicações dos bancários, tanto econômicas quanto sociais, no momento em que o crescimento do PIB pode ultrapassar 7% em 2010. A proposta de reajuste de 4,29%, apresentada pelos bancos na última negociação, que se limita a repor a inflação do período, é uma afronta aos bancários. É inaceitável que o setor da economia que mais lucra não garanta aumento real de salários.
Como se não bastasse, o negociador dos bancos declarou ao jornal O Globo que o reajuste de 11% é “inviável”. Dias depois, ele ainda disse na mesa de negociação que esse índice é “exageradamente alto”. É muito desrespeito da Fenaban, quando os cinco maiores bancos lucraram R$ 21,3 bilhões apenas no primeiro semestre deste ano. Isso significa um crescimento de 32% na média em relação ao ano passado e uma rentabilidade sobre o patrimônio de 25%.
Esse crescimento das empresas se dá às custas do adoecimento dos bancários, submetidos a um modo de organização do trabalho baseado na imposição de metas abusivas e que favorece o surgimento de casos de assédio moral. Não é à toa que os problemas de saúde mental detêm, segundo dados do INSS, o mesmo nível de incidência na categoria bancária que os distúrbios osteomusculares (LER/DORT), grandes vilões da década de 90.
O Comando Nacional participou de cinco rodadas de negociação, debatendo todos os temas com disposição para construir uma nova convenção coletiva com contrapartidas aos trabalhadores. Enquanto isso, os bancos enrolaram e trouxeram argumentos inconsistentes, apostando no impasse e empurrando outra vez a categoria para a greve. Da mesma forma, os bancos públicos, como o Banco do Brasil e a Caixa, seguiram a mesma intransigência da Fenaban e não avançaram as negociações específicas.
Se os bancos não entendem outra linguagem para negociar com seriedade senão a força da mobilização, a categoria não irá decepcioná-los. Os trabalhadores estão organizados e prontos para mostrar às empresas todo o seu descontentamento, fazendo uma greve ainda mais forte do que as dos últimos anos.
Assim, os bancários vão novamente à luta para enfrentar a ganância do sistema financeiro, que trata com descaso seus funcionários e clientes, principais responsáveis por seus lucros astronômicos. Um outro banco é preciso, com as pessoas em primeiro lugar.
Carlos Cordeiro - Presidente da Contaf-CUT e coordenador do Comando Nacional dos Bancários

Resultado da Assembléia em Nova Friburgo

Os mais de 100 bancári@s presentes a assembleia deliberaram:
Proposta da Fenabande reajuste de 4,29% rejeitada por unanimidade
Deflagração da greve por tempo indeterminado aprovada por ampla maioria.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

EDITAL E AVISO DE GREVE

EDITAL ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA

Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos Bancários de Nova Friburgo, inscrito no CNPJ/MF sob o nº 30.557.946/0001-14, Carta Sindical, Livro 027, Página 023, Ano 1958, por seu presidente abaixo assinado, convoca todos os empregados em estabelecimentos bancários dos bancos públicos e privados, sócios e não sócios, da base territorial deste sindicato, para a assembléia geral extraordinária que se realizará dia 28/09/2010, às 18h, em primeira convocação, e às 18h30, em segunda convocação, no endereço à Praça Dermeval Barbosa Moreira, nº 28, sala, 208, Centro, Nova Friburgo, para discussão e deliberação acerca da seguinte ordem do dia: 1. Avaliação e deliberação sobre a proposta apresentada pela FENABAN na reunião de 22/09/2010, que frustrou a continuidade das negociações diante da rejeição do reajuste apresentado pela categoria na pauta de reivindicações entregue em agosto do corrente ano; 2. Deliberação acerca da paralisação das atividades por prazo indeterminado a partir da 00h00 do dia 29 de setembro de 2010. Nova Friburgo, 24 de setembro de 2010. Max José Neves Bezerra – Presidente.

AVISO DE GREVE

SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS BANCÁRIOS DE NOVA FRIBURGO, por seu Presidente, para cumprimento das exigências contidas na Lei nº 7.783/89, avisa a todas as Instituições Financeiras públicas e privadas, usuários de seus serviços e a população em geral, que os empregados pertencentes à categoria bancária estarão realizando assembléia geral extraordinária no próximo dia 28/09/2010 para deliberar dentre outras coisas, sobre a deflagração de greve por prazo indeterminado a partir das 00:00 hora do dia 29 de setembro de 2010. Nova Friburgo, 24 de setembro de 2010. Max José Neves Bezerra – Presidente.

Comando avisa Fenaban que prazo para fazer nova proposta vai até segunda

Comando Nacional dos Bancários, coordenado pela Contraf-CUT, encaminhou no dia 23, um documento ao presidente da Fenaban, Fábio Barbosa, comunicando que a proposta apresentada de reajuste de 4,29% não atende a reivindicação de aumento real de salários contida na minuta entregue no dia 10 de agosto.
A representação dos bancários avisou os bancos que está orientando os sindicatos a realizarem assembléias rejeitando essa proposta e apontando greve por tempo indeterminado a partir da zero hora da próxima quarta-feira, dia 29.
No documento, o Comando Nacional reafirmou que, mantendo a cultura de apostar no processo negocial, aguarda manifestação da Fenaban com uma nova proposta até segunda-feira, dia 27, para que possa ser submetida à apreciação das assembleias dos sindicatos que ocorrerão na terça-feira, dia 28, em todo país.
O envio da carta para a Fenaban foi definido pelo Comando Nacional, após a apresentação da proposta dos bancos que, apesar dos lucros crescentes, não possui aumento real, valorização dos pisos e PLR maior, muito menos traz avanços sociais, como a melhoria das condições de trabalho, o fim das metas abusivas, o combate ao assédio moral, garantia de emprego, mais contratações, igualdade de oportunidades e segurança contra assaltos e seqüestros.
Veja a íntegra da carta:
São Paulo, 23 de setembro de 2010.
À
FEDERAÇÃO NACIONAL DOS BANCOS - FENABAN
PRESIDÊNCIA
SR. FÁBIO COLLETTI BARBOSA
NESTA
O sistema financeiro brasileiro vem apresentado sucessivos resultados positivos em seus lucros com a manutenção de rentabilidade em patamares superiores a 25% ao ano e crescimento dos lucros na faixa de 32% ao ano, reflexo de um circulo virtuoso vivido pelo nosso País nos últimos anos e do incansável esforço de seus trabalhadores.
Todavia, a proposta apresentada pela Comissão de Negociação dessa Federação de Bancos no último dia 22 de setembro não considera essa realidade, na medida em que não atende nossa reivindicação de aumento real de salários e rejeita o reajuste salarial contido na minuta entregue em 10 de agosto do corrente ano.
Diante do acima exposto, o Comando Nacional está orientando os Sindicatos dos Bancários a realizarem assembléias rejeitando a proposta e apontando greve por tempo indeterminado a partir da zero hora do dia 29 de setembro.
Nada obstante, mantendo nossa cultura de apostar no processo negocial, aguardamos manifestação dessa Federação com uma nova proposta até o dia 27 de setembro para que possamos submetê-la às assembléias que se realizarão no dia 28 de setembro. Em caso de não manifestação dessa Federação, manteremos a orientação de greve descrita acima.
Para que possamos continuar buscando um acordo que atenda a expectativa dos trabalhadores do sistema financeiro, é necessário que essa Federação de Bancos transija de sua proposta e para tanto aguardamos sua manifestação.
Atenciosamente
Carlos Alberto Cordeiro da Silva e Juvandia Moreira Leite
Coordenadores do Comando Nacional dos Bancários